PremiumPSI-20 em máximos de maio de 2018

O principal índice da bolsa de Lisboa segue impulsionado pela energia, retalho, correios e pasta. Principais praças mundiais perto dos máximos históricos e Dow Jones regista recorde.

Cristina Bernardo

Há quase dois meses que o PSI-20 regressou aos níveis pré-covid, de fevereiro de 2020, e atualmente valoriza 15% no ano. Vários setores têm superado os níveis pandémicos e contribuído para os ganhos do principal índice da Euronext Lisboa. O setor das energias renováveis beneficia da gradual emergência das políticas ambientais e da transição energética. A recém estreante Greenvolt, com apenas três meses e meio em bolsa, apresenta uma valorização à volta de 43%.

A EDP Renováveis duplicou de valor desde o início da pandemia e a casa-mãe, a EDP Energias de Portugal, detentora de 74,98% da EDPR segue também impulsionada pelos ganhos da subsidiária. Todavia, o título que regista a melhor performance no ano é o CTT com um ganho de quase 120% impulsionado pela gradual retoma económica, melhoria do negócio das encomendas que passou de prejuízos a lucros, o aumento dos rendimentos operacionais do banco CTT e a recompra de ações. O setor da pasta de papel tem beneficiado da envolvente mais inflacionista, melhoria dos preços da pasta e recuperação dos volumes de papel.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

PremiumProjeto inovador pretende utilizar palmito da bananeira como alimento

O projeto Palmito do Atlântico, desenvolvido por João Petito, no âmbito de uma disciplina na Universidade da Madeira, pretende utilizar o interior do pseudocaule da bananeira, designado de palmito, como alimento para comercializar.
Comentários