PSI 20 em queda acompanha Europa condicionada pelos receios de propagação do coronavírus

Doze empresas cotadas desvalorizam, cinco valorizam e uma cotada negoceia sem variação na bolsa nacional.

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,32%, para 5.180,21 pontos, em linha com as principais congéneres europeia esta terça-feira, 25 de fevereiro, dia de Carnaval.

Depois de ter fechado a sessão de segunda-feira a tombar mais de 3,5%, devido aos receios da propagação do coronavírus na Europa, os investidores continuam a mostrar muito conservadorismo. Doze empresas cotadas desvalorizam, cinco valorizam e uma cotada negoceia sem variação na bolsa nacional.

O setor da energia é mais penalizado, com a EDP Renováveis a cair 1,88%,para 12,56 euros. A EDP perde 0,62%, para 4,67 euros, e a REN recua 0,18%, para 2,72 euros.

Na banca, o BCP desvaloriza 1,22%, para 0,17 euros. Já no setor da pasta e do papel, a Navigator recua 0,20%, para 3,06 euros, a Semapa desce 0,17%, para 11,88 euros, e a Altri desliza 0,09%, para 5,56 euros.

O grupo Sonae também se destaca na negociação desta terça-feira: a Sonae Capital cai 1,44%, para 0,75 euros, enquanto a Sonae SGPS perde 0,32%, para 0,78 euros.

Na Europa, os principais índices também seguem com sinal positivo, recuperando parte das fortes quedas registadas no arranque da semana, que ficou marcado por um forte movimento de fuga ao risco por parte dos investidores.

Na Europa, entre as principais praças europeias, os investidores mostram-se pessimistas. Depois das quedas de segunda-feira, motivadas pelos receios em torno da propoagação do coronavírus, “a recuperação faz-se de forma tímida, sinalizando que o cenário de uma continuação do desmoronamento ainda não está fora das possibilidades, especialmente se caso o mercado não receber notícias animadoras”, analisa André Pires, analista e account manager da corretora XTB. Para além disso, devido às festividades de carnaval, muitos investidores estarão ausentes do mercado, o que pode levar a uma diminuição da volatilidade do mercado.

Relativamente ao coronavírus, o número de casos confirmados de coronavírus atingiu os 80.154, embora 27.691 pessoas que contraíram o vírus já tenham recuperado. O número de vítimas mortais, contudo,  supera as 2.700.

Nos EUA, Donald Trump, presidente do país, pediu ao congresso norte-americano a disponibilização de 2,5 mil milhões de dólares para o combate do coronavírus. Uma empresa de biotecnologia dos EUA, a Moderna, diz que enviou para testes preliminares um o primeiro lote de vacinas contra o coronavírus.

As ações da Fujifilm Holdings japonesas subiram depois do Ministro da Saúde do Japão ter anunciado que planeia recomendar o medicamento Avigan da empresa para o tratamento de coronavírus.

Ler mais

Relacionadas

Coronavírus em Itália leva a ‘mini-crash’ nas bolsas da Europa

NOS, Mota-Engil, CTT e BCP lideram nas quedas de mais de 5%. A Europa viu os mercados de ações caírem fortemente com o avanço do coronavírus no norte de Itália. O ouro acabou por ser visto como ativo de refúgio e sobe 1,81%. Ao contrário o petróleo está em queda expressiva.

Wall Street contagiada pelo Covid-19. Ganhos de 2020 foram anulados num dia

O petróleo também está a cair. Em Londres, o barril de Brent, referência para a Europa, tomba 4,12%, estando a negociar nos 55,55 dólares. Já o West Texas Intermediate, nos Estados Unidos, desvaloriza 3,97%, para 51,26 dólares.
Recomendadas

Trump anuncia que pico da Covid-19 está próxima e Wall Street anima no fecho da sessão

No fecho da sessão, o S&P 500 sobe 3,28%, para 2,746.63 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 2,58%, para 2,746.63 pontos, e o industrial Dow Jones cresce 3,39%, para 23,422.66 pontos.

PSI-20 com ligeira subida depois de impasse do Eurogrupo em encontrar resposta para a Covid-19

O PSI-20 manteve-se praticamente inalterado, com uma ligeira subida de 0,05%, em contra-ciclo com a tendência de queda registada entre as principais bolsas europeias. Mota Engil, CTT, Semapa e BCP lideraram os ganhos em Portugal.

Portugal regressa ao mercado na próxima semana para angariar até 1.250 milhões de euros

Tesouro avança com leilão duplo de Bilhetes do Tesouro na próxima quarta-feira, com um montante indicativo entre mil milhões e 1.250 milhões de euros.
Comentários