PSI20 negoceia no verde impulsionado pela Jerónimo Martins contrariando maré vermelha europeia

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI 20, regista esta sexta-feira uma subida de 0,81% para 5.395,34 pontos, em contraciclo com as bolsas europeias que negoceiam todas no vermelho.

Stringer/Reuters

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI 20, negoceia esta sexta-feira em terreno positivo registando uma subida de 0,81% para 5.395,34 pontos, em contraciclo com as bolsas europeias que negoceiam todas no vermelho.

Na bolsa nacional, a Jerónimo Martins valoriza 5,55%, para 14,65 euros. A retalhista apresentou hoje os seus resultados do primeiro trimestre, com os lucros a recuarem 14,5% para 72 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano. As vendas registaram um aumento de 1,1% para 4,2 mil milhões de euros, com a empresa a destacar os “efeitos negativos da proibição de aberturas ao domingo na Polónia e da ausência de Páscoa” no primeiro trimestre.

Já a Ibersol cresce 1.27%, para 8,00 euros.

Entre as perdas, a Pharol é quem mais perde na sessão, desvalorizando 1,59%, para 0,16 euros. A EDP Renováveis desce 0,79%, para 8,81 euros.

Em contraciclo com o PSI 20 estão as cotadas europeias que esta manhã abriram todas a negociar no vermelho. Na Alemanha, o DAX desce 0,08%, no Reino Unido, o FTSE 100 cai 0,32%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,10%, o holandês AEX deprecia 0,38%. Em Espanha, o IBEX35 desce 0,36% e o italiano FTSE MIB cai 0,56%.

A cotação do barril de Brent desce 1,06%, para 73,56 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cai 1,17%, para 64,45 dólares por barril.

No mercado cambial o euro valoriza 0,12%, para 1,11 dólares.

 

Lucros da Jerónino Martins recuam 14,5% no primeiro trimestre

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários