Empresa do ex-presidente da ANF, João Cordeiro, vende máscaras irregulares à DGS

A Quilaban, empresa de João Cordeiro, ex-presidente da Associação Nacional de Farmácias, terá vendido à Direção-Geral de Saúde, segundo o jornal “Público”, cerca de três milhões de máscaras de tipo FFP2 com um certificado inválido, destinadas a equipar unidades de saúde nacionais.

Três milhões de máscaras do tipo FFP2 foram vendidas com certificado inválido pela empresa Quilaban, pertencente ao ex-presidente da Associação Nacional de Farmácias (ANF), João Cordeiro. O comprador foi a Direcção-Geral da Saúde (DGS), mas o certificado das máscaras vendidas é inválido, refere a edição dominical do jornal “Público”, informando que o diretor-geral da empresa, Sérgio Luciano, admitiu problemas com o respetivo certificado.

A DGS encomendou à Quilaban de João Cordeiro, por ajuste direto, a 7 de Abril, três milhões de máscaras do tipo FFP2, destinadas a equipar unidades de saúde nacionais, refere o “Público”. O negócio, feito por ajuste direto, estipula a compra de um milhão de máscaras cirúrgicas de tipo II – que já terão sido entregues na totalidade – e praticamente metade das máscaras FFP2, adjudicadas por cerca de 8,5 milhões de euros, já foram entregues à DGS na quinta-feira, refere o jornal.

Uma das questões mais controversas neste negócio é que, segundo o Público, as máscaras foram acompanhadas por um certificado CE emitido por uma entidade polaca – ICR Polska –, com data de 16 de março de 2020, que serviria de garantia da conformidade das máscaras com as normas europeias de saúde.

O “Público” refere que o site da ICR Polska informa que deixou de certificar produtos relacionados com a Covid-19 a 26 de março e que anulou todos os certificados emitidos durante esse mês devido a inúmeras fraudes detetadas.

Adianta o jornal que a base de dados disponível no site da ICR Polska permite verificar a validade dos certificados, inscrevendo nela o número do certificado apresentado ao Ministério da Saúde, obtém-se a resposta de que “o número não existe é inválido ou falso”.

Contactado pelo “Público”, João Cordeiro remete os esclarecimentos para o diretor-geral da empresa, Sérgio Luciano, que acabaria por admitir problemas no certificado, mantendo, no entanto, a “aparente qualidade” das máscaras e adiantando que o fornecedor disponibilizou “estudos de conformidade”, emitidos por um instituto chinês de certificação.

O jornal refere ainda que o Ministério da Saúde informou que estas máscaras “não foram distribuídas e até ao esclarecimento cabal não será efetuado qualquer pagamento”.

Ler mais
Recomendadas

“Não há solução perfeita ou indolor para a TAP”, diz confederação de turismo

O turismo em Portugal preocupa em queda de receitas e aumento de desemprego, mas o líder da CTP acredita na retoma. Defende a prorrogação do ‘lay-off’ e uma campanha de promoção interna.

Estudo revela que três em cada dez startups do Porto correm o risco de fechar

O relatório “Impacto da Covid-19 nas Startups do Porto”, elaborado pela Porto Digital, FES Agency e Aliados Consulting, revela que 31,7% das startups têm até três meses de capital disponível.

PremiumMontepio Crédito defende CFEI para capitalizar empresas

Pedro Gouveia Alves realça que este instrumento de crédito fiscal já deu provas positivas em 2014. Autonomia financeira do setor ronda apenas os 20%.
Comentários