Quais são os desafios do setor financeiro para 2018?

Na segunda edição do Beyond – Portugal Digital Revolutions, a consultora EY Portugal avaliou as tendências que vão determinar o setor financeiro no próximo ano e destacou a importância da evolução tecnológica. Conheça os sete principais desafios identificados pela EY.

Cofre no Banco de Portugal
Ler mais

De acordo com a consultora EY Portugal, estas são as tendências que vão determinar o setor financeiro no próximo ano. A importância da evolução tecnológica vai ter ainda mais expressão neste setor em 2018.

Comoditização dos produtos financeiros

“É cada vez maior a dificuldade para os produtos financeiros se diferenciarem do ponto de vista da utilidade aos olhos do consumidor. Num mercado com custos de mudança reduzidos, os consumidores efetuam as suas escolhas em função da conveniência, produto a produto, e em horizontes temporais de curto prazo. Perspetiva-se que as Instituições Financeiras continuem a responder a este desafio através de ofertas de produtos extremamente direcionados e personalizados, comercializados nos canais de distribuição não presenciais”.

Desintermediação do mercado financeiro

“Diariamente, assistimos à proliferação de novas plataformas digitais que substituem, em parte ou na íntegra, o papel realizado por Instituições Financeiras, contribuindo de forma irreversível para a redefinição da cadeia de valor do sistema financeiro. Estas plataformas interagem diretamente com os clientes finais, facilitam transações e relegam para um plano secundário a interveniência dos tradicionais players de mercado. Constituem exemplos de desintermediação do mercado as plataforma de CrowFunding, Peer-to-peer Lending, Digital Wallets e Marketplaces para captação de depósitos e de financiamento”.

Desenvolvimento de ecossistemas de negócio com FinTechs / InsurTechs

“Se no passado estas entidades eram consideradas como uma ameaça, cada vez mais começam a ser perspetivadas pelas Instituições Financeiras como parceiros de negócio, que viabilizam a comercialização de produtos e serviços inovadores, experiências de utilização personalizadas e a conversão de custos fixos em custos variáveis, escaláveis com o volume de atividade. As motivações de negócio são recíprocas sendo para as FinTechs / InsurTechs aliciante cooperar com Instituições Financeiras no formato de Banking as a Platform (BaaS) ou de Insurance as a Platform (IaaS)”.

Arquiteturas de integração abertas / Open API

“Pela via do desenvolvimento de ecossistemas de negócio com FinTechs / InsurTechs, e pela via do cumprimento de requisitos legais e regulamentares, designadamente os decorrentes da Diretiva Europeia de Serviços de Pagamento (PSD2) e dos Regulatory Technical Standards (RTS), as Instituições Financeiras estão cada vez mais abertas ao exterior e recetivas à disponibilização de serviços para integração aplicacional. As Instituições Financeiras mais audazes não se limitarão à estrita conformidade regulamentar e desenvolverão modelos de negócio que permitam monetizar o investimento em arquiteturas de integração aplicacional abertas, sustentados na troca consentida de informação com Account Information Service Providers (AISP) e Payment Initiation Service Providers (PISP)”.

Computação cognitiva e inteligência artificial

“As Instituições Financeiras, desde sempre, compreenderam o valor da informação e hoje, mais do que nunca, têm ao seu dispor volumes massivos de dados. Apesar da abundância, as técnicas tradicionalmente empregues para processar os dados têm-se manifestado insuficientes para explorar na plenitude o potencial informacional. As tecnologias de computação cognitiva e de inteligência artificial têm contribuído para personalizar as experiências de interação com o Cliente (e.g. chatbots) e para ampliar a capacidade preditiva das organizações através da sua utilização em sistemas de deteção de fraude, sistemas de autenticação biométrica, e em modelos de avaliação de risco”.

Automação Robótica de Processos (RPA)

“A pressão competitiva do mercado, nomeadamente num contexto de taxas de juro muito baixas, penalizam a margem financeira das Instituições e promove a implementação de iniciativas internas de redução de custo. A Automação Robótica de Processos tem vindo a ganhar tração como uma das formas mais eficientes e eficazes para se atingir este fim, sendo particularmente aplicável na substituição do fator humano em processos repetitivos, processos críticos, com reduzida tolerância a erro operacional, ou em processos escaláveis, com necessidades de volume variáveis no tempo”.

Ciberameaças e cibersegurança

“Com a crescente exposição a canais de distribuição não presenciais, web e mobile, assim como com o aumento dos níveis de automação dos processos de decisão, as Instituições Financeiras encontram-se extremamente vulneráveis a ataques cibernéticos. Para fazer face a estas ameaças, e por forma a responderem aos requisitos de supervisão, legais ou regulamentares, entre os quais se destacam os requisitos decorrentes do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) ou do SWIFT Customer Security Program (CSP), perspetiva-se que as Instituições Financeiras reforcem o nível de investimento em serviços e / ou tecnologias de tecnologias de cibersegurança”.

Relacionadas
IFB: A regulação e supervisão a que os bancos estão sujeitos podem tornar-se numa barreira à inovação digital
Já saiu a revista InfoBanca do Instituto de Formação Bancária. O tema circula à volta da transformação digital do setor bancário. Os vários artigos de opinião abordam desafios e cautelas a ter com a inovação digital da atividade bancária.
Adeus, cartões? Já é possível pagar com relógios, anéis e no Messenger
A MasterCard apresentou ao Jornal Económico as suas novas soluções de pagamento, que passam por tornar a compra mais rápida através de reconhecimento facial do utilizador, com uma ‘selfie’, ou por modernizar as máquinas de venda automática.
EY: “A revolução digital está a transformar o setor financeiro”
A EY Portugal vai organizar no dia 14 de novembro um conferência sobre Transformação Digital no Setor da Banca e Seguros, que será conduzida por Francisco Manuel Barbeira, líder de Transformação Digital, IT, Operações, Eficiência, Segurança e Procurement no Banco BPI.
Inteligência artificial: Perigos e oportunidades de uma tendência inevitável
Cada vez mais disseminada pelas empresas, que veem nela uma possibilidade de aumentar a eficiência e diminuir custos, a inteligência artificial é um recurso que cria grandes oportunidades, mas pode encerrar grandes perigos.
Recomendadas
BCE confirma Luís Ribeiro como administrador do Novo Banco
Este é o administrador com a área comercial de retalho que já estava em funções na Comissão Executiva liderada por António Ramalho, e cuja avaliação estava em curso no BCE. O Novo Banco vai ainda ter um novo CFO, o irlandês Mark Bourke, e Jorge Cardoso fica com a área de banca de investimento.
Elisa Ferreira defende procedimentos especiais para insolvências de bancos de média dimensão
Como a resolução de um banco médio, mas com relevância sistémica a nível local, tem um impacto social e económico considerável “precisamos de discutir alternativas para os bancos médios e pequenos que saem do mercado, em vez de avançar em direção a uma nova camisa de forças” global, defendeu a vice-governadora do Banco de Portugal em Basel, Suíça.
Haitong com prejuízos de 2 milhões no semestre. Resultado operacional é positivo
“O dinamismo positivo das receitas beneficiou do recente processo de reestruturação e reposicionamento do Banco, o qual tem vindo a assumir-se como a unidade de Corporate and Investment Banking do Grupo Haitong”, justifica o banco de investimento.
Comentários