Qual o impacto económico do lixo nos oceanos? Só a pesca perde 162 milhões de euros

“O plástico desempenha um papel importante na economia. A sociedade beneficia deste material barato. Infelizmente, o baixo custo da produção está em dissonância com o custo potencialmente alto da sua passagem para o ambiente”, refere a Comissão Europeia.

O lixo nos mares e zonas costeiras está a causar a morte a várias espécies, a tirar beleza às praias e a prejudicar a economia. A Comissão Europeia mediu o impacto económico do plástico que está a ‘embalar’ os mares e oceanos (também) da União Europeia e concluiu que só o setor da pesca perde 162 milhões de euros anuais (-2,1% de receitas) por causa dos resíduos marinhos.

Os Estados-membros vêem-se obrigados a gastar 194,6 milhões de euros na limpeza das zonas costeiras, a indústria dos barcos vê sair 9 milhões de euros dos seus cofres em reparações ou manutenções extra e turismo ligado à economia azul perde 5.590 empregos, segundo os dados divulgados esta quinta-feira por Bruxelas.

À parte a degradação dos ecossistemas marinhos, a poluição dos mares representa um importante custo de oportunidade para os países. Das mais de 300 milhões de toneladas de plástico produzidas por ano, estima-se que 9 milhões acabem nas praias e nos oceanos – e prevê-se que esta contaminação aumente à medida que a população cresce.

“O plástico desempenha um papel importante na economia. A sociedade beneficia deste material barato. Infelizmente, o baixo custo da produção está em dissonância com o custo potencialmente alto da sua passagem para o ambiente”, refere o estudo “Blue Economy 2019”. “Em vez de ficar na economia, o valor significativo inerente ao plástico é perdido quando os plásticos se transformam em lixo”, pode ler-se no documento.

A instituição liderada por Jean-Claude Juncker considera que estes materiais, quando não são reutilizados, têm um impacto elevado na economia da União Europeia. “A neutralização e a prevenção de lixo marinho podem permitir que os materiais e seu valor permaneçam numa economia circular e aumentem as oportunidades para empresas que apostam no desenvolvimento sustentável”, defendem os autores deste relatório.

Estimativa do impacto do lixo marinho na União Europeia

Aréa / SetorImpacto  Custo anual (em milhões de € ou empregos)Receitas perdidas (em %)
PescaPerda de receitas162.02,1
AquaculturaPerda de receitas2.00,04
Transportes marítimosCustos de reparação3.90,1
TurismoPerda de receitas350.00,5
TurismoPerda de empregos5.5900,3
GovernoRecolha de resíduos (embalagens)4.000.06,3
GovernoAtividades de remediação de resíduos6.000.03,7
GovernoAtividades de limpeza costeira194.6 3,2 a 10,5
GovernoPesca ao lixo3.7—-

Fonte: Comissão Europeia

*Na pesca, outras fontes de Bruxelas estimam que o custo pode variar entre 1% e 5% da receita total gerada

Recomendadas

Católica, BPI e Fundação La Caixa criam observatório dos objetivos sustentáveis da ONU nas empresas portuguesas

Filipe Santos, ‘dean’ da Católica-Lisbon, diz que a ideia passa por “monitorizar a implementação da Agenda 2030 das Nações Unidas através do acompanhamento de um grupo representativo de grandes e médias empresas portuguesas e fazer a publicação de um relatório anual”.

Economia circular. Fundo Ambiental apoia projetos de juntas de freguesia com 500 mil euros

O JUNTAr+ recebeu um total de 48 candidaturas, todas consideradas elegíveis. Após a devida avaliação dos projetos, foi elaborada uma lista ordenada, da qual resultaram as escolhas das 19 juntas de freguesia que vão receber os fundos, mediante as respetivas classificações obtidas.

Algarve recebe 14 milhões de euros do PRR para melhorar abastecimento de água

As entidades gestoras de redes de abastecimento de água na região do Algarve poderão beneficiar de apoio a fundo perdido.
Comentários