“Qualquer injeção no Novo Banco deverá ser realizada diretamente pela banca”, defende Bloco de Esquerda

“Se este é um problema entre bancos como nos têm dito, então ele tem de ser resolvido entre bancos, sem colocar o Fundo de Resolução, os contribuintes a intermediar e a garantir esta capitalização”, disse Mariana Mortágua. Questionada sobre se as condições do BE para o Novo Banco podem travar o apoio do partido à viabilização do OE 2021, a deputada bloquista não respondeu.

O Bloco de Esquerda (BE) defendeu esta sexta-feira, 2 de outubro, que qualquer nova injeção no Novo Banco deve ser “realizada pela banca”, numa apresentação das propostas do partido sobre a instituição liderada por António Ramalho.

“Qualquer injeção deverá ser realizada diretamente pela banca, sem financiamento do Estado, sem empréstimo dos bancos que cria mais dívida”, explicou Mariana Mortágua durante a sua apresentação na sede do BE em Lisboa esta sexta-feira.

Mariana Mortágua frisou que “se este é um problema entre bancos como nos têm dito, então ele tem de ser resolvido entre bancos, sem colocar o Fundo de Resolução, os contribuintes a intermediar e a garantir esta capitalização”.

A deputada do BE defende ser preciso “capitalizar diretamente o Novo Banco e deixar os contribuintes fora deste jogo”, e garante, está é uma medida onde “não há um aumento da dívida pública nem o défice” e “não requer qualquer garantia pública”.

“Quanto mais o Fundo de Resolução for sobrecarregado independentemente da forma de como essa sobrecarga aconteça, mais irá sobrecarregar a contas públicas”, assegurou a deputada bloquista sublinhando que “a única posição que defende os interesses do Estado, os interesses dos contribuintes e os interesses do sistema bancário é através das injeções ao abrigo de um contrato que nem é possível dizer que está a ser cumprido”.

“Sabemos nós que o Fundo de Resolução está numa situação financeira muito difícil, sabendo que a Lone Star está a ter uma gestão abusiva, sabendo que estão a ser registados prejuízos no Novo Banco que nem o Estado, nem o Fundo de Resolução, nem a comissão de acompanhamento tem condições de garantia”, apontou Mariana Mortágua.

Assim, o Bloco de Esquerda reforça a ideia da “exclusão de novas injeções no Novo Banco no Orçamento de Estado para 2021”, mas também a de “não ter verba para o Novo Banco sem que a auditoria das contas esteja feita”. Mariana Mortágua destacou ser necessário “travar o abuso da Lone Star”, o “fundo abutre”, que “está a registar prejuízo de forma apressada e descuidada sem nenhuma verificação”.

Mariana Mortágua recordou também que o partido exigiu ao Banco de Portugal que enviasse ao Parlamento o relatório da própria ação do Banco de Portugal na intervenção do BES. “É por isso que exigimos uma auditoria pública e independe à gestão do Novo bBnco”.

Outra das exigências é a de “substituir a administração do Fundo de Resolução, que já mostrou que não tem capacidade para fazer a fiscalização do Novo Banco e é importante ser substituído por quem consiga fazer essa analise de forma rigorosa , mas também defendemos que este Orçamento de Estado não pode ser integrado numa verba do Novo Banco sem que a auditoria das contas esteja feita”, afirmou a deputada do Bloco de Esquerda.

No entanto, Mariana Mortágua, quando questionada pelos jornalistas, não esclareceu se o partido irá inviabilizar o Orçamento de Estado para 2021 caso estas exigências não sejam cumpridas pelo executivo de António Costa.

A proposta mais recente do Governo é a de convidar  a Caixa Geral de Depósitos, BCP, Santander e BPI para formarem um sindicato que financie o Novo Banco, avançou o Jornal Económico esta sexta-feira.

 

 

Ler mais
Relacionadas

PremiumBanca quer alterar imposto sobre o setor para financiar Novo Banco

CGD, BCP, Santander e BPI foram convidados pelo Governo a formarem um sindicato para financiar o Novo Banco. Em contrapartida, querem que a contribução especial incida sobre os ativos.

PremiumNovo Banco desiste da venda do malparado “Nata 3”

O parecer negativo do Fundo de Resolução à venda de malparado este ano e a chegada ao mercado de um portefólio do BCP inviabilizou a saída do “Nata 3”, que estava a ser preparada por Ramalho.

Banca prepara a saída de cinco mil trabalhadores nos próximos três anos

Entre 2011 e 2019, o setor bancário perdeu mais de 10 mil trabalhadores e encerrou 2.279 agências, e as saídas vão continuar a acontecer nos próximos anos, avança hoje o jornal “Público”.

OE2021: Governo disponível para novo aumento extraordinário das pensões em agosto

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares anunciou hoje disponibilidade para um aumento extraordinário das pensões em agosto de 2021 e para um aumento do salário mínimo em linha com a média dos últimos quatro anos.

OE 2021: Aumento de 20 euros do salário mínimo em cima da mesa

Proposta do executivo de António Costa para o aumento do salário mínimo poderá ser de menos 15 euros do que foi no ano passado, uma medida que não agrada ao Bloco de Esquerda que pede um crescimento de 35 euros, nem ao PCP que sugere uma subida de 215 euros.
Recomendadas

Tribunal da Concorrência declara prescrição de coimas do BdP a ex-administrador do Montepio

Tribunal da Concorrência declarou a prescrição das contraordenações imputadas pelo supervisor ao ex-administrador do Montepio Rui Amaral, num processo que já teve sentença anulada pelo Tribunal da Relação e que tem novo início agendado para a semana.

Novo Banco lança serviço de agregação financeira para negócios e empresas

O Novo Banco lançou a NBnetwork+ para apoiar a gestão financeira diária das empresas. Este serviço encontra-se integrado no NBnetwork, o homebanking para os clientes negócios e empresas, anuncia o banco em comunicado.

Tribunal de Justiça da UE confirma que BCE pode manter documentos confidenciais sobre o BES

No acórdão, o Tribunal de Justiça nega provimento ao recurso da sociedade luxemburguesa Espírito Santo Financial Group (uma das entidades através da qual o GES assegurava o controlo do BES) que pedia a anulação da decisão do BCE de 31 de agosto de 2016, que recusou parcialmente o acesso a certos documentos relativos a decisões sobre o BES tomadas em reuniões do supervisor.
Comentários