Quando Bill Gates pedia um ordenado de 1.250 dólares

Antes de se ter tornado o homem mais rico do mundo e um nome conhecido de todos, o empresário foi jovem. E ambicionava 15 mil dólares por ano.

Ler mais

Toda a gente é jovem e Bill Gates, cuja fortuna atual está avaliada em 90 mil milhões de dólares, não é excepção. Em 1974, tinha 18 anos, frequentava o primeiro ano do curso em Harvard e procurava um emprego. Apesar da tenra idade, tinha já uma vasta experiência em programação de computadores.

Tudo isto pode ser visto no currículo de Bill Gates (há 43 anos), publicado na rede social Twitter pelo jornalista Harry McCraken, com a discrição: “o currículo de Bill Gates, numa era em que aspirava receber 15 mil dólares”. A fotografia foi tirada numa exposição do Living Computer Museum.

Apesar de parecer que o jovem William H. Gates pedia um ordenado modesto, mas na altura, o salário médio nos EUA era de oito mil dólares por ano. Ou seja, já na altura o fundador da Microsoft era ambicioso.

 

Relacionadas

Putin é mais rico que Bill Gates e Jeff Bezos juntos

Investidor responsável pela lista de Magnitsky afirma que Putin mantém toda a sua fortuna no Ocidente.

É oficial: Bill Gates já não é o mais rico do mundo. Sabe quem o destronou?

Tem 53 anos e tornou-se hoje o mais rico do mundo. É norte-americano e, tal como Bill Gates, fundou um gigante tecnológico. Só esta semana, ‘engordou’ a sua conta bancária em 3 mil milhões de dólares.

Bill Gates avisa: “É preciso dificultar a entrada de migrantes na Europa”

Generosidade dos europeus para com os refugiados é preocupante porque pode levar os cidadãos de outros países, nomeadamente os do continente africano, a considerar emigrar também para a Europa, diz o fundador da Microsoft.

Bill Gates quer taxar robôs. União Europeia diz ‘nem pensar’

Andrus Ansip, o comissário Europeu com a pasta do mercado único digital, é contra à criação de um imposto sobre robôs.
Recomendadas

Preços da habitação aumentam 11,2% no segundo trimestre

Apesar da subida, os dados do INE revelaram uma interrupção da aceleração dos preços, que tinha sido consecutiva durante os cinco trimestres anteriores.

Défice do primeiro semestre fixou-se em 1,9%

Dados revelados pelo INE esta sexta-feira revelam melhoria face aos primeiros seis meses de 2017, no qual o saldo global das Administrações Públicas (AP) se tinha fixado em 6,1%, devido ao impacto da recapitalização da CGD.

Já não há dúvidas. INE confirma pela segunda vez que CGD entra no défice de 2017

A confirmação foi dada pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que enviou esta sexta-feira para o Eurostat a segunda notificação anual no âmbito dos Procedimento dos Défices Excessivos (PDE).
Comentários