Quanto pode poupar ao transferir o crédito pessoal para outro banco?

Caso tenha solicitado um empréstimo ao consumo em anos recentes e esteja a suportar uma TAEG elevada, sabia que poderá obter poupanças avultadas se transferir o crédito pessoal para outro banco?

Com a queda das taxas de juro verificada nos últimos anos, esta solução poderá permitir-lhe economizar vários milhares de euros em juros. Saiba como neste artigo elaborado pelo ComparaJá.pt.

 

Consumidores têm direito a reembolsar antecipadamente o seu empréstimo

Mediante um simples pré-aviso, o qual deverá ser feito num prazo mínimo de 30 dias de calendário, qualquer cliente bancário em Portugal tem o direito de reembolsar, quer na sua totalidade quer apenas parcialmente, o montante em dívida no seu empréstimo pessoal antes do prazo. Por via da redução dos juros e dos encargos do período remanescente no contrato, a este reembolso antecipado do crédito corresponderá uma redução do custo total do mesmo.

Neste âmbito, é importante saber que poderá ser cobrada uma comissão por parte da entidade bancária credora a título de compensação pelo pagamento antecipado. No entanto, tal é exclusivamente aplicável aos contratos com base na modalidade de taxa fixa, que, em Portugal, é a solução mais comum no crédito ao consumo.

Existindo bancos que, inclusivamente nos contratos a taxa fixa, não cobram aos seus clientes esta comissão, os encargos pelo reembolso antecipado não poderão ser superiores a:

  • 0,5% do valor em dívida, caso o período entre a data de reembolso e a de termo do contrato de crédito seja igual ou superior a um ano;
  • 0,25%, caso se trate de um período inferior a um ano.

Conforme a legislação em vigor, esta comissão nunca poderá ultrapassar o valor dos juros que o cliente teria de suportar durante o período decorrido entre o reembolso antecipado e a data estipulada para o termo do contrato.

Isto permite que quem detenha um crédito ao consumo possa, portanto, optar pela transferência do seu financiamento para outro banco e assim beneficiar de melhores condições conforme a evolução da oferta no mercado.

Num processo similar ao de um crédito imobiliário, a nova instituição credora concede ao consumidor o montante equivalente ao valor em dívida na instituição onde originalmente contraiu o empréstimo para que este faça o seu reembolso antecipado.

 

Quanto custa transferir o crédito pessoal para outro banco?

Adicionalmente à eventual comissão de reembolso antecipado, o processo de transferência do financiamento para outro banco poderá acarretar custos associados à contratualização do novo empréstimo.

Sendo encargos que variam de instituição para instituição, para além do Imposto do Selo de 1,76% sobre o valor do crédito contraído, entre os custos que o consumidor poderá ter de fazer face incluem-se a comissão de dossier/estudo (cuja designação poderá ser também de comissão de análise de processo) e a comissão de contratação/abertura (igualmente denominada de comissão de formalização).

De notar que há instituições que, de forma a atrair novos clientes, não cobram qualquer comissão inicial.

 

Quanto se pode poupar ao transferir crédito pessoal para outro banco?

Atentemos no caso do Nuno, que no primeiro trimestre de 2017 pediu um crédito pessoal de 30 mil euros a 120 meses (10 anos). Na altura, este professor universitário obteve uma TAEG de 14,3%.

Passados três anos, o Nuno está a equacionar a transferência do empréstimo para outra instituição bancária para aproveitar a descida nas taxas de juro.

O seu primeiro passo foi identificar o valor que ainda tem por liquidar para, posteriormente, poder calcular quanto poderá poupar. Analisando os seus extratos bancários, o professor percebeu que ainda lhe faltavam cerca de 25 mil euros de capital em dívida e, a partir daí, procedeu a uma simulação para obter as melhores ofertas do mercado.

Conforme as propostas obtidas para o seu perfil e necessidades, o Nuno concluiu que poderia baixar consideravelmente a taxa de juro ao transferir o crédito pessoal para outro banco, dado ter obtido propostas com TAEG desde 9% até 11%.

De seguida, este professor universitário procedeu aos cálculos efetivos das poupanças potenciais. E fê-lo com base no cenário mais conservador, uma TAEG de 11%, estando o caso ilustrado na tabela abaixo:

 

Potenciais poupanças ao transferir crédito pessoal para outro banco
Original = TAEG de 14,3%
Crédito Pessoal de 30.000€ a 120 meses
Transferência = TAEG de 11%
Crédito Pessoal de 25.000€ a 84 meses
Número da prestaçãoPrestação mensalCapital amortizadoJurosCapital em dívidaNúmero da prestaçãoPrestação mensalCapital amortizadoJurosCapital em dívida
1444,82€124,23€320,59€29.875,77€
12444,82€139,63€305,18€28.418,48€
24444,82€158,63€286,19€26.621,80€
36444,82€180,21€264,61€24.580,68€
37444,82€182,14€262,68€24.398,54€1411,17€209,08€202,09€24.790,92€
48444,82€204,73€240,09€22.261,86€12411,17€228,44€182,72€22.376,43€
60444,82€232,58€212,23€19.627,57€24411,17€251,61€159,55€19.486,74€
72444,82€264,23€180,59€16.634,89€36411,17€277,13€134,03€16.303,94€
84444,82€300,18€144,64€13.235,06€48411,17€305,24€105,92€12.798,31€
96444,82€341,01€103,80€9.372,68€60411,17€336,21€74,96€8.937,10€
108444,82€387,41€57,41€4.984,82€72411,17€370,31€40,86€4.684,24€
120444,82€440,12€4,70€0€84411,17€407,87€3,30€0€
Total
de juros nos últimos 84 meses
12.784€Total
de juros nos 84 meses
9.538€

 

Apesar de o Nuno ter obtido propostas que o isentavam de comissões iniciais, uma vez mais, de forma conservadora, fez as contas considerando custos com a comissão de reembolso antecipado e com as comissões e impostos iniciais associados ao novo contrato de crédito.

A tabela abaixo resume as suas conclusões:

 

Poupanças potenciais com a transferência
Poupança potencial com juros (12.784€ – 9.538€)3.246€
Custo de amortização total antecipada (25.000€ x
0,005)
-125€
Custo potencial aproximado com comissões iniciais
e impostos
-1.500€
Poupança
potencial com transferência
1.621€

 

O Nuno concluiu que, no pior dos cenários, poderá poupar mais de 1.600 euros. Caso avance com a melhor oferta, que pressupõe uma TAEG de 9% e a inexistência de comissões iniciais, este valor mais do que duplica.

Se, à semelhança do caso apresentado, também solicitou um empréstimo em anos anteriores e está a suportar uma TAEG superior à atualmente praticada no mercado, deverá ponderar a transferência do crédito pessoal para outro banco. Para além da redução das taxas de juro, poderá inclusivamente ajustar as condições do empréstimo, nomeadamente ao nível do prazo de reembolso.

Ler mais
Relacionadas

O que é o período de carência de um empréstimo?

Aquando da contratação de um crédito habitação ou de um crédito pessoal, é comum que oiça falar em período de carência. Descubra tudo sobre o tema neste artigo.

Casamentos custam em média 25 mil euros. Deve financiar com crédito pessoal?

Pedir um empréstimo pode ser a solução para fazer face aos elevados custos que um casamento pode implicar, mas será que deve financiar a cerimónia com recurso a um crédito pessoal? Veja os prós e contras neste artigo.

Juntar vários créditos num só: solução para cortar na prestação?

Basta existir mais do que um empréstimo para o orçamento familiar poder ficar desequilibrado. Uma das soluções, em caso de endividamento, poderá passar por consolidar todas as dívidas.
Recomendadas

Sabe se pode ter direito à pensão de invalidez?

Sabia que se apresentar incapacidade permanente para o trabalho pode usufruir de um apoio pago pela Segurança Social? Trata-se da pensão de invalidez, que pode ser relativa ou absoluta, consoante o grau de incapacidade que tiver. Descubra, neste artigo, se tem direito e como obter.

Especial Heranças: Herdeiros são obrigados a pagar dívidas?

Sabe que, para ficar com os seus bens, os seus familiares terão de pagar mais de 400 euros só em papelada obrigatória? Ou quantos passos são necessários até a herança ser do herdeiro? E se a herança contiver uma dívida? Neste artigo vai ficar a conhecer quais os gastos que as famílias têm e algumas dicas para evitá-los.

Especial Heranças: Qual a diferença entre renúncia e repúdio?

Existem duas formas possíveis através das quais pode não aceitar uma herança: através de renúncia ou por repúdio. Mas sabe quais as diferenças entre estas duas formas de rejeição? Neste artigo explicamos-lhe em que consiste a renúncia de herança e o repúdio e o que difere entre ambos.
Comentários