Quantos metros quadrados dá para arrendar com mil euros em Portugal, Espanha e Itália?

A cidade mais cara do ranking dos três países do sul da Europa é Milão. Já a cidade latina mais barata é Vila Nova de Gaia.

Cristina Bernardo

Nas cidades de Lisboa e Porto está difícil arrendar casa, uma vez que os preços estão demasiado elevados para o salário mínimo nacional e para o custo médio de vida. O Idealista realizou o estudo de quantos metros quadrados (m2) é possível arrendar com mil euros e focou-se em três países: Portugal, Espanha e Itália.

Com o custo da habitação a variar de país em país e, consequentemente, de cidade em cidade, o site de imobiliário decidiu focar-se nos países do sul da Europa. Pelo preço de mil euros é possível arrendar uma casa com 65 m2 em Lisboa e uma habitação de 62 m2 em Madrid.

Já em Itália, o mesmo dinheiro serve para arrendar uma com 52 m2 em Milão, a cidade que regista os preços mais altos neste estudo. Seguem-se Barcelona, com uma habitação de 60 m2, Madrid por 62 m2, Florença por 64 m2 e Lisboa por 65 m2.

No caso de Portugal, além dos 65 m2 em Lisboa, em Cascais é possível arrendar uma casa com 70 m2 por mil euros, sendo que em Oeiras há mais espaço com 83 m2. Por sua vez, no Porto dá para arrendar uma habitação com 93 m2, em Loulé os mil euros servem para uma casa com 100 m2 e em Matosinhos com 106 m2.

Em Sintra, os mil euros servem para uma habitação com 111 m2, Portimão serve uma casa com 112 m2, em Albufeira chega para 115 m2 e em Vila Nova de Gaia dá para arrendar 121 m2.

Em Valência é possível arrendar uma habitação com 111 m2 por mil euros, sendo que esses mesmos mil euros servem para arrendar uma casa de 110 m2 em Livorno, de 108 m2 em Estepona, de 105 m2 em Pádua e de 100 m2 em Sevilha. Ainda assim, em Marbelha apenas é possível conseguir uma casa com 91 m2, de 83 m2 em Palma de Maiorca, de 97 m2 em Nápoles e de 82 m2 em Viareggio.

Ler mais

Relacionadas

“Apaixonante e atrativa”. Imobiliária de Buffett com 38 propriedades no Porto superiores a um milhão de euros

A Berkshire Hathaway HomeServices Portugal Property apresentou o seu escritório no Porto, localizado na rua de Santa Catarina. Imóvel mais caro são dois prédios com uma área de dois mil metros quadrados, cujo projeto de construção passa por um hotel com 51 quartos, sendo pedido um valor de 5,5 milhões de euros.

Reabilitação urbana no Porto gera investimento de 232 milhões

Num total de 623 operações, a zona da Baixa portuense foi o principal destino de investimento, seguida do Centro Histórico e Foz Velha.

Preço dos prédios acima dos 500m2 em Lisboa cresceu 34% num ano

O valor das habitações superiores a 500m2 é atualmente de 2.915 euros/m2, face aos 2.173 euros/m2, no período acumulado de 12 meses até ao segundo trimestre de 2019. Campolide é a freguesia mais cara com as transações a registarem um preço médio de 4.246 euros/m2.
Recomendadas

Eldorado fiscal. Governo pode vir a taxar reformados estrangeiros

O regime de residentes não habituais isenta os reformados estrangeiros de pagarem IRS em Portugal e no seu país de origem. Em cima da mesa está a ser discutida a possibilidade de criar uma taxa mínima de 15% a 20%, avança o Expresso, ainda assim atrativa para continuar a atrair estes reformados para Portugal.

Banco Africano do Desenvolvimento aprova empréstimo de 20 milhões para reforçar setor privado em Cabo Verde

O projeto insere-se no propósito do banco de industrializar o continente africano e de melhorar a vida da sua população, duas das maiores prioridades de desenvolvimento do BAD.

O que marcou 2019? Vote nas personalidades e acontecimentos do ano

Políticos nacionais, líderes mundiais, personalidades do mundo dos negócios marcaram 2019, um ano cheio de acontecimentos que captaram as atenções dos leitores. Vote aqui até segunda-feira, 23 de dezembro até às 16h00, para escolher a ‘Personalidade do Ano (Nacional), Personalidade do Ano (Internacional), Personalidade do Ano (Empresas), ‘Acontecimento do Ano’ (Nacional) e ‘Acontecimento do Ano’ (Internacional). Descubra os resultados no Jornal Económico de 27 de dezembro.
Comentários