Queda da Altri lidera perdas na bolsa de Lisboa. Europa em queda

As ações da Altri caíram mais de 6% e marcaram a sessão. A Europa fechou em correção com os principais índices em queda de mais de 1%. O petróleo recupera e os juros soberanos caem.

Stringer/Reuters

As ações da papeleira Altri caíram hoje na Bolsa  -6,85% para 6,120 euros, no dia em que o BiG emitiu um research que diz que as ações têm agora um preço alvo de 6,23 euros, o que traduz um upside de 2,1% face à atual cotação de 6,1 euros. “Portanto, atualizamos a ação para Hold, já que vemos o preço atual como justo. O preço da celulose estabilizou e esperamos uma queda gradual a partir desses níveis, o que, no entanto, não coloca em risco os dividendos da empresa (dividend yield de cerca de 5%)”, diz o BiG.

A Altri informou ontem ter recebido uma comunicação sobre o lançamento de uma oferta particular de venda de ações da Altri, através de um processo Accelerated Bookbuilding, pela sociedade Global Portfolio Investments, controlada pela espanhola Indumenta Pueri.

Em queda, embora menos expressiva, estiveram a Mota-Engil a cair -1,86% para 1,690 euros; e a NOS que deslizou -1,74% para 5,380 euros. A Jerónimo Martins desceu -0,85% para 10,510  euros; e a Galp também em queda de  -0,50% para 14,785 euros.

Em alta o destaque vai para a Semapa que valorizou 1,74% para 14,060 euros.

Com tudo isto o PSI 20 caiu 0,35% para 4.921,15 pontos.

A sessão desta quarta-feira foi marcada por um ambiente de correção em toda a Europa, com os principais índices europeus a fecharem em queda.

O global EuroStoxx 50 caiu 1,22% para 3.150,27 pontos.

“O selloff vivido ontem em Wall Street é um dos principais fatores a condicionar o ambiente, perante o movimento no mercado obrigacionista norte-americano”, explica o analista da Mtrader Ramiro Loureiro.

O CAC 40 desceu 1,36% para 4.944,4 pontos; o Dax deslizou 1,19% para 11.200 pontos; o FTSE 100 de Londres caiu 1,44% para 6.921,8 pontos. Milão, por sua vez caiu 0,13% para 19.328,7 pontos; e o IBEX perdeu 0,55% para 9.012,2 pontos.

Os indicadores de atividade terciária na Zona Euro vieram melhor que o esperado e ajuda a justificar esta última recuperação.

Em novembro de 2018, o PMI nos Serviços da Zona Euro registou um valor de 53,4 pontos, menos 0,3 pontos que  no mês precedente.

A dívida soberana alemão subiu 1,4 pontos base para 0,277%, ao passo que a dívida dos periféricos teve também o mesmo movimento de queda dos juros. Itália desceu 9,5 pontos base para 3,061%; Espanha caiu 2,6 pontos base para 1,459% e Portugal 1,6 pontos base para 1,795%.

O mercado do petróleo está a subir. Com a cotação do Brente a valorizar 0,26% para 62,24 dólares o barril e o crude WTI nos EUA a aumentar 0,28% para 53,4 dólares.

O euros subiu 0,02% para 1,1345 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários