PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

A população desempregada em Portugal poderá ainda crescer em 227,5 mil pessoas até ao final do ano. Os cálculos do Jornal Económico (JE), baseados nas estimativas do Banco de Portugal (BdP) e nos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), mostram que o valor registado no segundo trimestre deste ano pode crescer cerca de 80%, terminando o ano corrente com 506 mil desempregados.

Assumindo a taxa de desemprego de 10,1% que o BdP estima para o final do ano no seu boletim económico de junho e usando os dados mais recentes do INE relativos ao mercado laboral, que apontam para 278,4 mil desempregados no final do segundo trimestre de 2020, o número de trabalhadores que irá procurar ativamente trabalho no final do ano rondará os 506 mil, bem acima dos 352,4 mil registados no final do ano passado. A análise incorpora já a descida na população ativa, que registou o valor mais baixo da série iniciada em 2011, com 5009,6 mil pessoas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Derrocada na Praça de Espanha. “Não estão reunidas as condições para abrir o túnel”, diz vereador

“Todas as pessoas foram evacuadas. Estavam cerca de 300 pessoas dentro da carruagem, das quais resultaram três feridos, mais o segurança. Vão já começar os trabalhos para que sejam retomadas as condições de normalidade o mais depressa possível. Numa análise muito preliminar, prevê-se pelo menos um a dois dias de interrupção”, garantiu o responsável autárquico.

Covid-19: Pior verão de sempre na aviação leva IATA a agravar projeções

Assim, a atual previsão é que a pandemia de covid-19 e as medidas restritivas que se seguiram motivem uma queda do tráfego aéreo em 66% em todo o mundo este ano face ao ano passado, quando anteriormente a IATA apontava para uma redução de 63%.

Abrandamento das importações chinesas aos EUA pode comprometer objetivos do acordo comercial

A primeira fase do acordo comercial entre os dois gigantes prevê um aumento das exportações americanas destinadas à China, uma meta que poderá estar em risco caso se mantenha o ritmo atual de compra de bens norte-americanos pelos chineses.
Comentários