Quem vai ocupar os 21 lugares de Portugal no Parlamento Europeu?

Os resultados das eleições europeias em Portugal deram vitória ao PS, com 33,38 % dos votos. O resultado permite-lhe eleger nove eurodeputados. Já o PSD elege seis e o PAN estreia-se em Bruxelas e Estrasburgo. Conheça a nova configuração da representação portuguesa no Parlamento Europeu.

Partido Socialista (PS): nove eurodeputados

Pedro Marques: O ex-ministro das Infraestruturas do Governo de António Costa foi escolhido para liderar a lista do PS a estas europeias. Pedro Marques é economista e, antes de chegar a ministro, foi assessor do ministro do Trabalho e da Solidariedade, no segundo mandato de António Guterres, em 2001, tendo depois chegado a vereador da Câmara Municipal do Montijo, em 2002, e a secretário de Estado da Segurança Social, nos dois Governos de José Sócrates. Nasceu em Lisboa, em 1976, e é casado e pai de três filhos. É um praticante assíduo de ténis.

Maria Manuel Leitão Marques: A ex-ministra da Presidência Maria Manuel Leitão Marques foi escolhida para número dois da lista do PS, cargo que aceitou com grande honra, considerando que é tão importante ser eurodeputada como ministra. Foi secretária de Estado da Modernização Administrativa dos XVIII e XVII Governos Constitucionais, liderados por José Sócrates. Nasceu em Moçambique, em 1952, e é casada com o constitucionalista Vital Martins Moreira.

Pedro Silva Pereira: Depois de ter sido secretário de Estado do Território e da Conservação da Natureza e ministro da Presidência no Governo de José Sócrates, Pedro Silva Pereira rumou a Bruxelas para desempenhar a função de eurodeputado socialista. Atualmente, é vice-presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais e membro das comissões de Economia e Comércio Internacional no Parlamento Europeu. É licenciado em Direito e mestre em Ciências Jurídico-Políticas, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Margarida Marques: Deputada socialista na Assembleia da República e vice-presidente da comissão de Assuntos Europeus, vai agora exercer funções como eurodeputada. Mas Bruxelas não é algo novo para a socialista. Desde 1994, que é funcionária da Comissão Europeia, e foi chefe da representação da Comissão Europeia em Portugal, entre 2005 e 2011. Nasceu em 1954 e é licenciada em Matemática e mestre em Ciências da Educação e Desenvolvimento, pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

André Bradford: É presidente do grupo parlamentar do Partido Socialista na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores. Antes disso, foi secretário regional da presidência do Governo Regional dos Açores, entre 2008 até 2012. Começou como jornalista do Açoriano Oriental, em 1992, tendo passado pelo Diário de Notícias, em 1997. André Bradford vai substituir o atual eurodeputado Ricardo Serrão Santos, eleito pelo PS/Açores em 2014.

Sara Cerdas: A médica, de 29 anos, foi o nome escolhido pelo PS/Madeira para substituir a docente universitária Liliana Rodrigues, a cumprir o primeiro mandato no Parlamento Europeu. Sara Cerdas foi a aposta do PS numa “nova geração de quadros qualificados”. Foi campeã nacional de natação e é praticamente uma desconhecida na política madeirense e nacional.

Carlos Zorrinho: O professor universitário Carlos Zorrinho não é novo no Parlamento Europeu. Foi eleito eurodeputado nas últimas eleições, de 2014, e vai voltar para um novo mandato de cinco anos. Foi presidente do grupo parlamentar do PS entre 2011 e 2014, durante a presidência de António José Seguro. Foi secretário de Estado Adjunto da Administração Interna no Governo de António Guterres e secretário de Estado da Energia e da Inovação no Governo de José Sócrates. Em Bruxelas, lidera a delegação socialista portuguesa e é membro das comissões de Indústria, Investigação e Energia e do Ambiente, Saúde e Segurança Alimentar. Nascido em 1959, é casado com Rosa de Matos, antiga secretária de Estado da Saúde e atual presidente do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central.

Isabel Santos: Deputada do PS na Assembleia da República é técnica Superior de Relações Internacionais de profissão. Foi governadora civil do Porto e é, atualmente, vice-Presidente da Assembleia Parlamentar da Organização para a Segurança e Cooperação Europeia (OSCE). Nascida em 1968, é licenciada em Relações e Cooperação Internacionais e tem uma pós-graduação em Sociologia.

Manuel Pizarro: Foi deputado e secretário de Estado da Saúde entre 2008 e 2011, no Governo de José Sócrates, e o nome escolhido para ocupar o nono lugar da lista do PS às europeias. É médico no Centro Hospitalar de São João, no Porto, e é a primeira vez que vai-se estrear no Parlamento Europeu. Em 2013, foi candidato pelo PS à presidência da Câmara Municipal do Porto e repetiu o feito em 2017. Enquanto deputado, esteve envolvido na Lei da Procriação Medicamente Assistida e no novo enquadramento legal para a transplantação de órgãos.

 

Partido Social Democrata (PSD): seis eurodeputados

Paulo Rangel: É, pela terceira vez, o cabeça de lista do PSD às eleições europeias, depois de se ter estreado como número um em 2009 e repetido o lugar em 2014, então numa lista de coligação PSD/CDS-PP. É vice-presidente do Partido Popular Europeu (PPE) e do grupo parlamentar do PSD. Licenciado em Direito, foi deputado no Governo de António Cavaco Silva e membro da direção da Associação Comercial do Porto. Em 2009, foi eleito para o Conselho de Administração da Fundação Robert Schuman, um espaço de reflexão e acção política europeia, presidido por Jacques Santer.

Lídia Pereira: Presidente da Juventude do Partido Popular Europeu (YEPP), que reúne 50 organizações de juventude de forças políticas filiadas no PPE, Lídia Pereira foi a aposta do presidente social-democrata, Rui Rio, para trazer os jovens para a política. Tem 27 anos e reside em Bruxelas, sendo consultora da Deloitte, após trabalhar na EY e no Banco Europeu de Investimento. Natural de Coimbra, foi nessa cidade que entrou para a JSD.

José Manuel Fernandes: Foi o eurodeputado português mais influente na última legislatura do Parlamento Europeu, integrando o ‘top 50’ do hemiciclo. Foi coordenador do PPE na Comissão dos Orçamentos, tendo responsabilidades na negociação do próximo orçamento comunitário e dos fundos comunitários. Este envolvido nas negociações do plano Juncker e na criação do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, bem como na estratégia europeia para combate a incêndios. Nascido em 1967, é deputado ao Parlamento Europeu desde 2009.

Graça Carvalho: Foi ministra da Ciência e Ensino Superior, no Governo de Durão Barroso (2002-2004), e ministra da Ciência, Inovação e Ensino Superior, no Governo de Pedro Santana Lopes (2004-2005). É licenciada em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, e doutorada pelo Imperial College of Science, Technology and Medicine, no Reino Unido. Foi vice-presidente nacional da Ordem dos Engenheiros e é a primeira vez que vai desempenhar o cargo de eurodeputada.

Álvaro Amaro: Foi presidente da Câmara Municipal da Guarda e de Gouveia. Agora, deixa para trás a Câmara da Guarda, entregando-a ao seu vice-presidente, Carlos Alberto Monteiro, e ruma em breve a Bruxelas e Estrasburgo para o seu primeiro mandato como eurodeputado. É licenciado em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e é a escolha de Rui Rio para defender o desenvolvimento regional e a valorização do Interior no Parlamento Europeu.

Cláudia Monteiro de Aguiar: A eurodeputada social-democrata escolhida pelo PSD/Madeira foi reeleita para o Parlamento Europeu, depois da sua estreia em 2014. É consultora de marketing e, enquanto eurodeputada, fez parte da comissão dos Transportes e do Turismo e da delegação à Comissão Parlamentar Mista UE-Turquia. Nasceu em 1982, e foi a única escolha de Rui Rio para representar as regiões autónomas, o que indignou o PSD/Açores.

 

Bloco de Esquerda (BE): dois eurodeputados

Marisa Matias: A cabeça de lista do BE não é uma cara nova no Parlamento Europeu, onde está como eurodeputado desde 2009. Socióloga, de 43 anos, tem feito trabalho sobretudo na área do ambiente e da saúde pública. Enquanto eurodeputada, preside à delegação para as Relações com os Países do Maxereque e integrou a conferência dos Presidentes das Delegações, a Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários e a Comissão Especial sobre os Crimes Financeiros e a Elisão e a Evasão Fiscais.

José Gusmão: Dirigente do BE e ex-assessor político de Marisa Matias no Parlamento Europeu e ex-deputado à Assembleia da República, foi escolhido para número dois do partido às eleições europeias. É economista e membro da Comissão Política do Bloco de Esquerda, tendo chegado a vice-presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. O bloquista de 42 anos é um dos braços direitos de Marisa Matias.

 

Coligação Democrática Unitária (CDU): dois eurodeputados

João Ferreira: O número um da lista da CDU às europeias é um repetente no Parlamento Europeu. Biólogo de profissão, está no Parlamento Europeu desde 2009, onde integra o Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde, do qual foi vice-presidente entre 2012 e 2014. É membro do Comité Central do Partido Comunista Português (PCP) e vereador da Câmara Municipal de Lisboa.

Sandra Pereira: De 42 anos, preside atualmente à Associação de Bolseiros de Investigação Científica. Sandra Pereira nunca foi deputada nem desempenhou nenhum papel de destaque no PCP, mas João Ferreira, em declarações à Antena 1, destaca-lhe outras competências como a “forte intervenção cívica”. “Tem tido uma atividade bastante notória na defesa das condições de trabalho dos investigadores e, seguramente, traz a esta lista uma mais-valia importante”, afirmou.

 

Centro Democrático Cristão (CDS): um eurodeputado

Nuno Melo: O cabeça de lista do CDS ao Parlamento Europeu foi o único eurodeputado eleito pelo CDS nestas eleições. Integra a Grupo do Partido Popular Europeu (PPE), em representação do CDS, desde 2009. Foi deputado na Assembleia da República, desde 1999 a 2005, pelo círculo de Braga. É presidente da Assembleia Municipal de Vila Nova de Famalicão, função que acumula com o cargo de eurodeputado e a vice-presidência da bancada parlamentar centrista. É licenciado em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade Portucalense e é advogado e consultor jurídico de profissão.

 

Pessoas-Animais-Natureza (PAN): um eurodeputado

Francisco Guerreiro: O assessor parlamentar do PAN é o primeiro eurodeputado a ser eleito pelo PAN para o Parlamento Europeu. A eleição de um eurodeputado pelo PAN foi a grande surpresa da noite. Antes de se candidatar a Bruxelas, Francisco Guerreiro foi candidato à presidência da Câmara Municipal de Coimbra em 2014 e à de Câmara de Cascais em 2017.

Ler mais
Relacionadas

António José Seguro recusa comentar se vitória do PS “é menos que poucochinho”

O ex-dirigente do PS, António Galamba, considera, no artigo de opinião, que a votação socialista “nem é clara nem grande” e que a vitória do PS “é menos que poucochinho”. António José Seguro que, há cinco anos, ganhou as eleições europeias com 31,4% , recusa comentar os resultados alcançados pelo partido neste domingo e se partilha da opinião do seu antigo braço direito . António Costa considerou que votação de 33,39% foi “expressiva, clara e inequívoca”.

Resultados da europeias mostram corte com últimos 40 anos, explicam analistas

“A primeira grande conclusão é aquilo que as sondagens já afirmavam há muito tempo: o fim da maioria absoluta das duas principais grandes famílias”, afirmou Bernardo Pires de Lima, investigador do Instituto Português de Relações Internacionais da Universidade Nova de Lisboa.

Europeias: Participação em Portugal foi a sexta pior da União Europeia

Segundo dados provisórios relativos à participação por país divulgados esta segunda-feira de manhã pelo Parlamento Europeu, a pior taxa dos 28 Estados-membros registou-se na Eslováquia (22,74%), seguindo-se a Eslovénia (28,29%) e a República Checa (28,72%).
Recomendadas

Inquérito à CGD: Alterações ao relatório final vão ser hoje discutidas

PS já sinalizou podem ser “densificadas” as conclusões referentes à gestão interna do banco público que apontam que CGD “não foi gerida de forma sã e prudente”. Enquanto Bloco de Esquerda (BE) assegurou que “todas ou quase todas as conclusões” do relatório, elaborado por João Almeida (CDS-PP), têm a “concordância” do BE. E PSD insiste em “suspeitas fundadas” de interferência política em financiamentos como fábrica da La Seda em Sines (projeto Artland) e a José Berardo.

CGD: Perdas relativas a créditos de Berardo representam 1% das provisões do banco, diz fonte próxima ao empresário

Em 2015, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) reconheceu quase metade como perdas, num total de 124 milhões de euros. Fonte próxima ao empresário diz que representa apenas 1% do total das provisões CGD entre 2006 e 2016.

CPI à CGD: PCP diz que “houve um desvio claro” da missão do banco público

O deputado do PCP Paulo Sá considerou hoje que houve “um desvio claro da CGD da sua missão como banco público”, e que a responsabilidade disso deve ser repartida pelos vários gestores do banco e pela tutela. “Houve um desvio claro da Caixa Geral de Depósitos [CGD] da sua missão como banco público. Isto é, […]
Comentários