PremiumRadicalismo aumenta entre republicanos e democratas

Influência de Trump e viragem de Biden à esquerda alarga fosso entre os dois partidos norte-americanos. Ficará tudo esclarecido nas intercalares de 2022.

Depois de um primeiro momento, logo a seguir à tomada de posse, que o presidente norte-americano, o democrata Joe Biden, parecia estar a seguir um caminho de convergência com a oposição republicana, tudo isso parece agora ter ficado para trás: tendo em vista as eleições intercalares do próximo ano, os republicanos estão cada vez mais radicalizados à direita.

As intenções de Biden pareciam ser as melhores, segundo os analistas: o país estava profundamente dividido depois de umas eleições que partiram duplamente os Estados Unidos a meio (em resultados, mas também nessa espécie de “ame-o ou deixe-o” protagonizado pelo candidato Donald Trump, com o epicentro no assalto dos seus apoiantes ao Capitólio – precisava de reencontrar uma posição fortalecida junto dos parceiros internacionais, e até mesmo o grande tema internacional de então, a China, tendia mais a fazer convergir que a afastar democratas e republicanos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPSI-20 em máximos de maio de 2018

O principal índice da bolsa de Lisboa segue impulsionado pela energia, retalho, correios e pasta. Principais praças mundiais perto dos máximos históricos e Dow Jones regista recorde.

PremiumSem resposta aos problemas do país não haverá OE, diz PCP

Os comunistas referem que a posição “de resistência e recusa” do Governo contrasta com anos anteriores e impede “aproximações” reais.
Fernando Alexandre

PremiumFernando Alexandre: “Temos de ter regiões-estrela conhecidas mundialmente como de excelência”

Fernando Alexandre defende um novo modelo de desenvolvimento económico, onde o sistema científico esteja na fileira da frente. Diz que o país beneficiaria de regiões especializadas na produção de determinadas tecnologias e apela à ligação ferroviária ao centro da Europa.
Comentários