PremiumRe/Max Elite vê último trimestre como início da retoma

Empresa imobiliária tem como objetivo recuperar as quebras de faturação em 2020 e ambiciona manter o ritmo de crescimento em 2021.

A Re/Max Elite entrou na Madeira em 2011, possui duas agências no Funchal e dois escritórios, um no Porto Santo e outro na Calheta. Em 2020 a empresa previa um aumento global de 30%, porém a pandemia alterou os seus planos. Apesar da incerteza que uma crise de saúde pública traz, Filipe Gomes, diretor-geral da Re/Max Elite, deixa uma mensagem de otimismo sublinhando que a manterem-se “as condições favoráveis” na economia, o último trimestre deverá marcar o início da retoma.

Filipe Gomes sublinha que a pandemia “trouxe um grau de incerteza ao panorama geral. Atualmente sentimos que os processos nunca estão garantidos até o dia da escritura, mas a nossa atividade está hoje preparada para não parar”. O diretor-geral da Re/Max Elite sublinha que está convicto que os efeitos da pandemia podem também “trazer novas necessidades de compra e venda de imóveis e isso pode ser favorável para o nosso setor, portanto mantemos uma atitude positiva quanto ao futuro”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 6 de novembro.

Recomendadas

PremiumEduardo Lourenço: Praticamente 100 anos de reflexão

Desde há muito um dos intelectuais mais consensuais, o autor de livros como “O Labirinto da Saudade” distinguia-se pela serenidade com que, vivendo longe do país, pensava Portugal e aquilo que é ser português. Morreu aos 97 anos, no dia da Restauração.

PremiumApoiados por Bolsonaro e por Lula sofrem desaire nas grandes cidades

Segunda volta das municipais confirmou força do centro-direita que tenta recuperar o poder em 2022, vitorioso em São Paulo e no Rio de Janeiro. E provou que há vida na esquerda além do PT, que pela primeira vez não governa nenhuma capital estadual.

PremiumNuno Vieira: “Smart contracts trazem inúmeras oportunidades”

Conferência promovida pela Antas da Cunha ECIJA e Jornal Económico, no dia 9, vai incluir a primeira demonstração pública em Portugal da execução de uma hipoteca com esta tecnologia, sem necessidade de recorrer a registos nas conservatórias.
Comentários