Recapitalização do Banco de Cabo Verde adiada

O Banco de Cabo Verde tem necessidades de recapitalização de 1.400 milhões de escudos (12,6 milhões de euros), mas o plano iniciado em 2019, com fundos do Orçamento do Estado, só será retomado depois da pandemia.

O Banco de Cabo Verde tem necessidades de recapitalização de 1.400 milhões de escudos (12,6 milhões de euros), mas o plano iniciado em 2019, com fundos do Orçamento do Estado, só será retomado depois da pandemia, segundo informação oficial.

De acordo com um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), deste mês, o plano de recapitalização do Banco de Cabo Verde (BCV), segundo informação do Governo à instituição internacional, “será retomado após a pandemia” de covid-19.

“Devido a restrições financeiras geradas pela pandemia, as alocações adicionais foram colocadas em espera até o fim da crise sanitária”, explica o FMI, no mesmo relatório.

Num relatório anterior, de novembro passado, o FMI já tinha apontado que a posição patrimonial do banco central cabo-verdiano “deteriorou-se nos últimos anos, refletindo em parte a reavaliação dos ativos em dólares norte-americanos”, com um plano de intervenção que avançou ainda antes da pandemia, por parte do Governo.

O FMI recordou antes que, face a este cenário, as autoridades cabo-verdianas “desenvolveram um plano de recapitalização” em 2019, prevendo a injeção de 2,1 mil milhões de escudos (19 milhões de euros) ao longo de três anos, utilizando recursos do Orçamento do Estado.

Depois de a primeira parcela ter sido libertada no final de 2019, no valor de 700 milhões de escudos (6,4 milhões de euros), a crise provocada pela covid-19, segundo o FMI, deixou o plano suspenso, que só será retomado após a crise provocada pela pandemia de covid-19.

O Governo cabo-verdiano tem avançado com várias medidas mitigadoras da crise económica provocada pela pandemia de covid-19, com o BCV a assumir posição de destaque, desde logo no aumento da injeção de liquidez na banca e no processo de atribuição de moratórias a créditos bancários ou pela gestão, em mínimos históricos, das taxas de juro.

A crise económica provocada pela pandemia de covid-19 provocou uma recessão económica, oficial, equivalente a 14,8% do Produto Interno Bruto (PIB), essencialmente devido à praticamente total ausência de turismo no último ano, setor que garante 25% do PIB do arquipélago.

Recomendadas

Portugal já deu quase 200 mil vacinas aos PALOP e Timor-Leste

“Até 20 de julho de 2021, disponibilizámos um total de 196.000 doses de vacinas contra a Covid-19 aos PALOP e a Timor-Leste”, confirmou o gabinete do secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação à Lusa.

Ex-candidatos presidenciais pedem “erradicação” da Guiné Equatorial na CPLP (com áudio)

Paulo de Morais, Henrique Neto e Fernando Nobre estão entre os signatários de uma carta aos presidentes de Cabo Verde e de Angola onde apelam ao início do processo de expulsão já na cimeira da organização que arranca em Luanda na sexta-feira. Desrespeito pelos direitos humanos e manutenção da pena de morte pelo regime de Teodoro Obiang são os motivos invocados.

Cabo Verde Airlines anuncia cancelamento de todos os voos

A Cabo Verde Airlines (CVA), que voltou este mês ao controlo do Estado cabo-verdiano por decisão do Governo, após a venda de 51% a investidores islandeses, anunciou hoje que “todos os voos” da companhia estão cancelados.
Comentários