Receitas do turismo afundam 48% na Madeira

As dormidas afundaram 49% e registaram o valor mais baixo desde 1995 de acordo com a Direção Regional de Estatística. Em março os proveitos totais chegaram aos 16 milhões de euros. A hotelaria concentrou 80% das dormidas.

As receitas do turismo caíram 48% em março e as dormidas seguiram a mesma tendência com uma quebra de 49%, de acordo com os dados da Direção Regional de Estatística (DREM). Estas descidas substanciais são justificadas pelas diversas restrições que forma impostas devido ao coronavírus covid-19.

Em março registaram-se 329 mil dormidas, enquanto que as receitas totais do turismo chegaram aos 16 milhões de euros e as receitas de aposento ficaram-se pelos 10 milhões de euros. A DREM sublinha que as dormidas obtidas em março é o valor mais baixo desde 1995.

A hotelaria continua a dominar ao agregar 80% das dormidas, mas desce 51% em termos homólogos. O alojamento local concentrou 18% das dormidas, mas desce 37% face ao ano anterior.

Os mercados de França, Alemanha e Grã-Bretanha registaram descidas de 59%, 50%, e 48%.

No acumulado do ano o turismo da Madeira tem até março uma descida de 15% nas dormidas e de 16% nos proveitos.

Recomendadas

Câmara do Funchal investe 25 mil euros a arranjar passeios e calçadas

A Autarquia tem vindo a desenvolver um trabalho de identificação e melhoria das condições de acessibilidade no domínio do espaço público municipal.

Miguel Albuquerque: “Não posso estar à espera do Orçamento Retificativo”

“Eu neste momento tenho de garantir liquidez e apoio às famílias da Madeira”, disse este sábado o presidente do Governo regional.

Atividades turísticas na Madeira só retomam a normalidade em setembro

Para as embarcações com lotação até 60 passageiros é admitida a ocupação até 70% da sua capacidade, até ao final do próximo mês de junho, 90% durante o mês de julho, e sem qualquer restrição de lotação, a partir do mês de agosto do corrente ano.
Comentários