Receitas fiscais recuaram em 2019 para 36,8% do PIB em Portugal

As receitas de impostos e cotizações sociais recuaram, em 2019, para os 36,8% do PIB em Portugal, face aos 37,0% de 2018, tendo-se mantido estável na zona euro nos 41,6%, segundo dados hoje divulgados pelo Eurostat.

DR

De acordo com a informação do gabinete estatístico europeu, na União Europeia (UE) as receitas totais provenientes da cobrança de impostos e cotizações sociais tiveram um ligeiro recuo de 41,2% para 41,1% do Produto Interno Bruto (PIB).

O rácio impostos/PIB variou muito, em 2019, entre os Estados-membros, com os maiores a serem apresentados por França (47,4%), Dinamarca (46,9%) e Bélgica (45,9%) e os menores na Irlanda (22,7%), Roménia (26,8%), Bulgária (30,3%), Lituânia (30,4%) e Letónia (31,3%).

Face a 2018, o rácio das receitas fiscais em função do PIB aumentou, em 2019, em 12 Estados-Membros e recuou noutros 13, com a maior subida percentual a ser registada no Chipre (de 33,5% para 35,6%) e a principal quebra na Bélgica (de 47,1% para 45,9%).

Recomendadas

Presidente da República exige maior controlo da legalidade na contratação pública

“É naturalmente compreensível – e até desejável – a necessidade de simplificação e de aperfeiçoamento de procedimentos em matéria de contratação pública que possam, com rigor, implicar a melhoria das condições de vida dos portugueses e permitir flexibilizar a atribuição e a alocação dos referidos fundos”, salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

Presidente da República veta diploma que altera regras de contratação pública

Este veto do chefe de Estado foi divulgado no portal da Presidência da República.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.
Comentários