Recessão em Portugal pode conduzir a défice de 4%, estima estudo da EconPol

António Afonso, economista e professor do ISEG, projecta que Portugal deverá registar uma contração de 4,9% no PIB este ano e que o consumo privado deverá cair mais do que na crise financeira de 2008.

Uma recessão provocada pelo novo coronavírus poderá levar a um défice entre 3% a 4% do PIB, este ano, segundo um estudo de António Afonso, economista e professor do ISEG, publicado pela EconPol Europe – The European Network for Economic and Fiscal Policy Research, esta quarta-feira.

“Tais desenvolvimentos orçamentais podem implicar uma interrupção e não uma alteração do regime orçamental, como ocorreu algumas vezes no passado em Portugal”, pode ler-se no estudo “Portugal’s GDP, a Note on the 2020 Unknowns”, que assinala que “esta interrupção pode não implicar necessariamente um impacto negativo na sustentabilidade das finanças públicas”.

António Afonso, que já desempenhou funções como economista no Banco Central Europeu, no IGCP e como consultor do Ministério das Finanças, sublinha que o Conselho Europeu permitiu a flexibilização na aplicação das regras da União Europeia para “acomodar gastos excepcionais”, o que terá impacto na contabilização das despesas.

Destaca ainda que o consumo e o investimento privado terá um impacto acentuado nas contas públicas portuguesas, derivado de um corte na despesa das famílias, e por outro lado um aumento da despesa do Estado.

“Um aumento nos desequilíbrios orçamentais é inevitável”, assinala. “Tendo em conta que uma recessão está a formar-se, tanto no mundo como, em particular, nos principais parceiros comerciais de Portugal, é bastante previsível que um declínio no crescimento real ocorra necessariamente em 2020”, acrescenta.

O economista parte de um cenário base, no qual Portugal enfrentará uma queda no PIB de 4,9% este ano, para calcular que um cenário pessimista esta contração poderá ser de 5,8%, e que compara com uma contração de 3,9% no cenário mais otimista.

“É importante ter em mente que, após a crise global e financeira de 2008-2009, as famílias reagiram de fora diferente da expectativa inicial em Portugal”, diz, salientando que os consumidores reduziram o consumo e aumentaram a poupança, apesar da queda de rendimentos. “É bastante provável que ocorra uma redução ainda mais substancial do consumo privado desta vez, dada a incerteza ser mais fundamental e incisiva”, antecipa.

Ler mais

Relacionadas

Bankinter prevê que economia portuguesa entre em recessão este ano com recuperação em 2021

De acordo com o cenário base elaborado pelo Bankinter Portugal, o PIB deverá contrair 2,7% este ano, recuperando em 2021, ano que em crescerá 3%. Exportações terão um impacto mais prolongado e deverão cair 7,7% em 2020. A taxa de desemprego poderá ascender a 9,5%.

Queda de receitas do turismo pode ter impacto negativo de 5,3% no PIB, estima BIG

Os analistas do BIG calculam que o impacto negativo do turismo será de 1,4% até ao final do segundo trimestre deste ano e de 4,1% até ao final do terceiro trimestre.
Recomendadas

“Mobilidade elétrica tem um argumento de força: a urgência da descarbonização”, defendem especialistas na “Portugal Smart Cities Summit 2020”

Uma das provas da relevância da mobilidade elétrica está refletida nos números das vendas de automóveis elétricos: “2,3 milhões de vendas até ao final deste ano” deste tipo de veículo, segundo Ryan Fisher da BloombergNEF.

“Eletrificação nos transportes é determinante”, garante secretário de Estado da Mobilidade

Eduardo Pinheiro sublinhou os apoios que têm sido fornecidos para a aquisição de automóveis elétricos, bem como o reforço de 50 milhões de euros na frota da Soflusa. Posição foi conhecida no segundo dia da “Portugal Smart Cities Summit 2020”, evento que conta com o “Jornal Económico” como media partner.

Verbas do SURE ficam disponíveis a partir de outubro, diz Costa

O primeiro-ministro adiantou que as verbas do instrumento da Comissão Europeia para apoiar empregos ficará disponível “a partir do próximo mês”. Programa garante 5,9 mil milhões de euros de Bruxelas de financiamento para Portugal, o montante proposto pelo ministério das Finanças.
Comentários