Rede de apoio ao consumidor endividado: o que é?

O excesso de endividamento pode destruir para sempre os alicerces de uma vida e a procura de apoio nos piores momentos pode ser fundamental. Mais fundamental ainda é que os consumidores aprendam com os erros do passado.

Os devedores com dificuldades no pagamento das prestações de contratos de crédito podem recorrer à Rede de Apoio ao Consumidor Endividado (RACE). Esta rede é composta por entidades que têm como função informar, aconselhar e acompanhar os devedores em risco de incumprimento ou que tenham prestações de crédito em atraso.

Este apoio prestado pelas entidades da Rede de Apoio ao Consumidor Endividado é isento de quaisquer encargos e as estruturas que a compõem reconhecidas pela Direção-Geral do Consumidor.

As entidades que integram a Rede têm como missão: informar o devedor sobre os seus direitos e deveres em caso de risco de incumprimento (PARI) e no âmbito do PERSI e do Regime Extraordinário de Proteção de Devedores; apoiar o devedor na análise das propostas apresentadas pelas instituições de crédito no âmbito do PARI, do PERSI e do Regime Extraordinário de Proteção de Devedores, nomeadamente quanto à adequação de tais propostas à situação do devedor; acompanhar o devedor no processo de negociação com as instituições de crédito; prestar informações em matéria de endividamento e de sobre-endividamento; apoiar o devedor na avaliação da sua capacidade de endividamento.

As entidades que integram a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado devem respeitar, princípios de independência, imparcialidade, legalidade e transparência. A prestação de apoio aos devedores deve ser célere e obedecer a critérios de elevado rigor técnico.

O processo de aconselhamento e acompanhamento dos devedores é confidencial. Todos os funcionários e colaboradores das entidades que integram a Rede e que tenham intervenção no procedimento estão sujeitos a segredo profissional.

Importa referir que a melhor forma de lidar com a Rede é não precisar de lidar com ela. Ou, dito de outra forma, os consumidores têm de estar muito atentos aos níveis de endividamento que se propõem assumir e também ao serviço da dívida e às alterações a que podem estar sujeitos por alguma alteração difícil de ponderar.

Esta preocupação é tanto mais importante quanto está assistir-se – há já alguns meses – ao regresso da pressão das instituições bancárias e parabancárias para que os clientes aceitem novos endividamentos sob a forma de créditos pessoais e extensões de plafonds de cartões de crédito.

Passada a pior fase da crise que se abateu sobre o país e sobre o setor bancário a partir de 2008, as práticas destas instituições ao nível do crédito ao consumo parecem estar a repetir-se, como se nada tivessem aprendido no passado – um alerta que tem sido feito por várias associações e entidades preocupadas com a questão, mas que tem sido aparentemente pouco escutado.

Ler mais
Recomendadas

Mesmo sem Via CTT, reembolsos do IVA e IRC não serão suspensos

Os contribuintes que tenham direito ao reembolso do IRC ou do IVA, mas que não tenham aderido ao Via CTT, receberão os reembolsos devidos mesmos que sem a situação regularizada, esclarece um despacho normativo hoje publicado em Diário da República.

CGD baixa taxa mínima do spread para 1,23%. É o sexto banco a baixar custo do crédito à habitação

Em quatro meses, desde janeiro, seis bancos já reviram em baixa o spread mínimo cobrado aos clientes. O último a fazê-lo foi a CGD, depois do EuroBic, do BPI, do Crédito Agrícola, do Santander Totta e do Montepio.

Segurança Social: A partir de hoje já pode pagar online dívidas em prestações

O pedido para pagar dívidas, que se encontrem em execução civil, em prestações à Segurança Social já pode ser feito online. A nova funcionalidade, através da Segurança Social Direta, está disponível a partir desta quinta-feira, 18 de abril.
Comentários