Rede de TDT cabo-verdiana terá 20 canais de televisão em 2021

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas destacou a presença de canais da televisão pública portuguesa RTP entre os oito atualmente distribuídos pela TDT cabo-verdiana.

@ Inforpress

O ministro da Cultura de Cabo Verde, Abraão Vicente, anunciou esta quarta-feira a intenção de ter uma oferta de até 20 canais televisão distribuídos pela nova rede de Televisão Digital Terrestre (TDT) a partir de 2021.

Ao responder aos deputados, na Assembleia Nacional, no arranque da primeira sessão plenária de novembro, que se prolonga até sexta-feira, o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas destacou a presença de canais da televisão pública portuguesa RTP entre os oito atualmente distribuídos pela TDT cabo-verdiana.

“Neste momento temos a novidade de termos também a RTP3 presente na TDT, que é um grande ganho”, destacou Abraão Vicente, sendo que no lote atual inclui-se ainda a RTP África.

O governante acrescentou que está em curso uma “negociação” para o “alargamento” do pacote de canais televisivos presentes na TDT, rede que já cobre 95% da população e que a partir do próximo ano será a única disponível em Cabo Verde, face ao previsto ‘apagão’ do sinal analógico.

“Estamos com um pacote que pode chegar a 20 canais, mas neste momento estamos em processo de negociação (…) O que nós prometemos é que o próximo ano será, sem dúvida, a consolidação da TDT, acompanhada por um aumento de conteúdos”, afirmou o ministro.

A oferta televisiva atual da rede TDT, em sinal aberto, conta ainda com as cabo-verdianas TCV e Tiver, a brasileira Record TV, bem como as francesas TV5 Monde e France24, além de seis rádios.

A TV Educativa foi recentemente acrescentada à grelha da TDT, sendo um canal de televisão gerido pelo Ministério da Educação como plataforma de apoio ao ensino à distância, devido aos condicionalismos da pandemia de covid-19 no funcionamento das escolas e na manutenção das aulas presenciais.

O ‘apagão’ do sinal analógico de televisão em Cabo Verde arrancou em agosto, na ilha de Santiago, prolongando-se até janeiro de 2021, quando ficará em funcionamento apenas a rede de TDT, segundo o calendário oficial.

O cronograma aprovado em reunião do Conselho de Ministros e que entrou em vigor em 28 de julho, definiu que a Cidade Velha, município de Ribeira Grande (ilha de Santiago), foi a primeira localidade do arquipélago a desligar os emissores analógicos de televisão, em 17 de agosto.

Até novembro estava programado serem desligados os restantes emissores da ilha de Santiago e, no mesmo mês, ainda os das ilhas do Maio e do Fogo, e em São Vicente em 17 de novembro, conforme previsto no “calendário de cessação das emissões televisivas terrestres” em Cabo Verde.

Seguem-se os emissores analógicos nas ilhas de São Nicolau e do Sal (24 de novembro), da Boa Vista e da Brava (15 de dezembro) e de 25 a 28 de janeiro de 2021 os oito emissores analógicos de Santo Antão, a ilha mais montanhosa de Cabo Verde, culminando o processo ao fim de cinco meses.

Neste momento, o sinal analógico e o digital funcionam em simultâneo na maior parte do arquipélago.

Cabo Verde é um dos cinco países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) que estão mais avançados em termos de implementação da TDT, conforme determinou a União Internacional de Telecomunicações (UIT).

Ler mais
Recomendadas

Banco de Cabo Verde confirma liquidação de um dos quatro ‘offshore’

O regulador bancário cabo-verdiano informou que procedeu ao registo da deliberação dos acionistas do Banco Privado Internacional, SA – BPI, Instituição de Crédito de Autorização Restrita, que “decidiu pela sua dissolução voluntária e liquidação”.

CPLP vai apoiar candidatura do Brasil ao Tribunal Penal Internacional 

“Houve uma proposta do Brasil para apoio à candidatura da juíza Federal Mónica Jaqueline Cinfuentes ao Tribunal Penal Internacional”, afirmou Eurico Monteiro, embaixador de Cabo Verde.

Moody’s mantém rating do banco da CEDEAO em ‘lixo’

O BID tem como acionistas os países da CEDEAO, entre os quais estão os lusófonos Cabo Verde e Guiné-Bissau, para além de outros países da África Ocidental, como a Costa do Marfim, Nigéria ou o Senegal.
Comentários