Reestruturação da Media Capital: Bruno Santos sai da direção de programas da TVI substituído por Filipa Garnel

Depois de ter passado pelos três canais generalistas portugueses e de ter sido diretora das revistas “Caras” e “Lux”, Felipa Garnel é a nova diretora de Programas da TVI, regressando, assim, ao grupo Media Capital.

A reestruturação da Media Capital atingiu a TVI. O até agora diretor de programas do canal de Queluz de Baixo, Bruno Santos, deixou a estação para dar lugar a Filipa Garnel, fez saber o grupo de media espanhol esta quinta-feira, 18 de julho. Bruno Santos também detinha o pelouro da gestão da antena, pasta que passa a ser controlada pelo administrador da TVI e da Plural Entertainment, Luís Cunha Velho.

Esta alteração foi promovida pelo novo diretor executivo da Media Capital, Luís Cabral, que agradeceu o “empenho e trabalho” desenvolvido por Bruno Santos e apontou, em comunicado, o que levou à escolha de Filipa Garnel para a direção de programas da TVI: “Acompanhei de perto o trabalho que desenvolveu ao longo dos anos em que esteve na Media Capital e acredito na sua combatividade, modernidade e capacidade de liderança, necessários num ciclo que agora se inicia”.

Depois de ter passado pelos três canais generalistas portugueses e de ter sido diretora das revistas “Caras” e “Lux”, Felipa Garnel é a nova diretora de Programas da TVI, regressando, assim, ao grupo Media Capital.

“Gosto de desafios e aceitei desde a primeira hora a proposta de fazer parte de uma equipa coesa, empenhada em reconquistar a preferência dos portugueses. Acredito no valor de cada pessoa que trabalha na TVI e estou certa de que, unidos, conseguiremos inovar e surpreender”, afirma Felipa Garnel.

Esta é a primeira alteração na direção da TVI, depois de o conglomerado espanhol Prisa, que detém a Media Capital, ter iniciado um processo de reestruturação da dona da TVI.

A primeira medida foi afastar Rosa Cullell da liderança da Media Capital, sendo substituída por Luís Cabral que passou de administrador da Media Capital Rádios a diretor executivo da dona da TVI.

 

Ler mais
Relacionadas

Luís Cabral é o novo CEO da TVI

Esta será uma opção interna por parte da Prisa, dado que Luís Cabral exerce atualmente o cargo de administrador da Media Capital, passando assim a ser CEO da empresa.

Rosa Cullell: “As audiências estão piores, mas o grupo é sólido e saudável”

Rosa Cullel era diretora executiva da Media Capital, dona da TVI, desde 2011. Oito anos depois, foi anunciada a sua saída da direção do grupo de media, sendo substituída por Luís Cabral. Na hora da saída contou que deixa o grupo após “o ano com melhor resultado líquido”.

Salvador Ribeiro substitui Luís Cabral na liderança da Media Capital Rádios

Salvador Ribeiro sucede a Luís Cabral, que passou a ser o novo CEO da Media Capital. Enquanto administrador executivo da Media Capital Rádios, Salvador Ribeiro acumulará as funções de diretor comercial que tinha até agora, na MCR, até ser anunciado o seu substituto.
Recomendadas

CDS quer actualização do Plano de Contingência para controlo da Xylella fastidiosa

Os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca, Ilda Araújo Novo e Hélder Amaral querem saber se está já em curso alguma actualização ao Plano de Contingência para controlo da Xylella fastidiosa e seus vectores, elaborado em 2016, e se não, para quando está pensada essa actualização. E enviaram a pergunta ao ao ministro da Agricultura, Florestas […]

Crise dos Combustíveis. CAP aconselha agricultores a “constituírem reservas e tomar medidas de prevenção”

Afinal a crise dos combustíveis não chegou ao fim. Sem conseguir um acordo com a Antram — Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias, o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) anunciou uma greve “cirúrgica” ao trabalho suplementar, feriados e fins-de-semana, entre 7 e 22 de Setembro. Por isso a CAP — […]

SIC e RTP1 foram os canais que mais peças emitiram sobre as eleições europeias

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social concluiu que o canal do grupo Impresa divulgou 189 peças com a presença de candidaturas às eleições para o Parlamento Europeu, que representam menos de 3% do tempo total de noticiários analisados.
Comentários