Refinaria de Matosinhos. Oleoduto para o aeroporto Sá Carneiro continua em funcionamento

Com o encerramento da refinaria de Matosinhos, Portugal fica somente com uma refinaria, com a Galp a garantir que a segurança de abastecimento do país não fica em causa.

Cristina Bernardo

O oleoduto entre a refinaria de Matosinhos e o aeroporto Francisco Sá Carneiro vai manter-se em funcionament0 apesar da Galp ir proceder ao encerramento das suas atividades de refinação em Leça da Palmeira.

“O pipeline que liga a refinaria de Matosinhos ao aeroporto Sá Carneiro será mantido. O abastecimento ao aeroporto continuará a ser realizado, não há disrupção a esse respeito”, disse hoje o administrador da Galp, José Carlos Silva, no Parlamento. Apesar de encerrar a atividade de refinação no local, a Galp vai manter um parque logístico e armazenamento de combustíveis no local.

Na sua audição na comissão parlamentar de ambiente e de energia, o responsável rejeitou a possibilidade da segurança de abastecimento do país estar em causa por só uma refinaria ficar em funcionamento no futuro, a de Sines.

Na eventualidade desta refinaria do distrito de Setúbal ser obrigada a parar por algum tempo, José Carlos Silva destacou a existências das reservas estratégicas de combustível.

“Uma unidade de refinação é composta por várias. Admitindo um cenário em que existe um evento catastrófico em toda a refinaria de Sines deixará de estar disponível, para isso existem as reservas estratégicas para um período de 90 dias. É um cenário de muito baixa probabilidade”, afirmou o administrador da petrolífera.

Relacionadas

Hidrogénio verde ou refinaria de lítio? Galp está a “avaliar oportunidades” para Matosinhos

A petrolífera diz que ainda não tomou nenhuma decisão sobre o pós-encerramento da refinaria de Matosinhos, estando apenas a fazer estudos “enquadrados no âmbito da transição energética e da sustentabilidade ambiental”. Para já, a empresa só pretende manter em funcionamento naquele local o parque logístico.

Galp: “Matosinhos foi a quinta refinaria da Europa a anunciar o encerramento da sua atividade”

As novas refinarias na Ásia e Médio Oriente, as regras ambientais em Portugal e na Europa, a falta de competitividade da refinaria, e uma produção superior ao consumo na Península Ibérica contribuíram para a decisão de encerramento da refinaria. “No ranking de competitividade das refinarias na Europa encontra-se na cauda”, disse hoje a empresa. Dos 401 trabalhadores, 60 vão manter-se no parque logístico de combustíveis que continua em funcionamento.

Galp. Autarquia de Matosinhos avisa que não vai permitir a construção de imóveis no local da refinaria

A autarca Luísa Salgueiro avisa que não vai alterar o PDM do concelho para permitir a construção de habitação nos 290 hectares da refinaria. “Não é intenção da câmara mudar os destinos daqueles solos. Ali deve ser realizada atividade industrial”, afirmou.

Autarquia diz que a Galp “não pretende instalar refinaria de lítio” em Matosinhos

A autarca de Matosinhos diz que a posição lhe foi transmitida pela Galp numa reunião. Luísa Salgueiro diz que a decisão de encerramento tem um “impacto social inegável para o país, para a região norte e para Matosinhos”.

Lítio. Mina do Barroso com capacidade anual para construir baterias para 655 mil BMW i3

A mina do distrito de Vila Real poderá também ter capacidade para fornecer lítio para a baterias de mais de 300 mil Jaguar I-Pace por ano, segundo as estimativas apresentadas pela concessionária Savannah Resources que anunciou esta semana um acordo com a Galp.
Recomendadas

TAP propõe acordo com tripulantes para vigorar até final de 2024

O acordo, segundo o qual “as medidas acordadas referentes a retribuições e outras prestações pecuniárias, retributivas ou não, produzem efeitos a 1 de janeiro de 2021”, estabelece a suspensão “das tabelas salariais e remuneratórias em vigor à data da entrada em vigor deste acordo, incluindo as constantes de normativo específico de cada função e/ou de acordos individuais”.

Turismo do Centro apresenta novas iniciativas para as Rotas das Invasões Francesas

O destaque vai para a apresentação das rotas turísticas relativas à Terceira Invasão Francesa, que teve início em julho de 1810 e terminou em abril de 1811. No território nacional, a invasão iniciou-se em Almeida e continuou para o Bussaco, onde teve lugar uma importante batalha, tendo terminado nas Linhas de Torres Vedras, de onde os franceses retiraram em perda.

Pilotos do porto de Aveiro resgatam navio da ETE

Depois de ativados os procedimentos de segurança, os serviços técnicos de pilotagem do porto de Aveiro em colaboração com os rebocadores e em articulação com a Capitania, “a operação do salvamento do navio e tripulação foi realizada com sucesso, encontrando-se o navio atracado em segurança”.
Comentários