Regeneron autorizada a usar tratamento com anticorpos monoclonais nos Estados Unidos

A autorização da Administração de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) limita o uso do fármaco a pessoas com mais de 12 anos que tenham apresentado resultados positivos no teste à covid-19 e que estejam em risco de desenvolver um caso grave da doença, explicou a cientista chefe da FDA Denise M. Hinton numa carta enviada à empresa.O medicamento contém dois anticorpos potentes que, em estudos preliminares, mostraram resultados promissores na contenção da infeção, especialmente se administrado durante as fases iniciais da doença.

A entidade reguladora norte-americana concedeu no sábado autorização urgente à Regeneron, empresa de biotecnologia, para a utilização no país do tratamento com anticorpos monoclonais que o Presidente dos EUA recebeu em outubro contra a covid-19.

A autorização da Administração de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) limita o uso do fármaco a pessoas com mais de 12 anos que tenham apresentado resultados positivos no teste à covid-19 e que estejam em risco de desenvolver um caso grave da doença, explicou a cientista chefe da FDA Denise M. Hinton numa carta enviada à empresa.

O medicamento contém dois anticorpos potentes que, em estudos preliminares, mostraram resultados promissores na contenção da infeção, especialmente se administrado durante as fases iniciais da doença.

A FDA concedeu no início deste mês outra aprovação de emergência para a utilização a nível nacional de um ‘cocktail’ muito semelhante, propriedade da farmacêutica Eli Lilly.

Nenhum dos tratamentos pode ser administrado a pessoas hospitalizadas ou a pacientes que necessitam de oxigénio.

Pouco depois de confirmar que tinha testado positivo para a covid-19 no início de outubro, Trump recebeu uma dose de oito gramas do ‘cocktail’ de anticorpos Regeneron, apesar de não ter sido aprovado para utilização pela FDA.

Depois de recuperado, Trump disse que o tratamento foi o principal responsável pela sua melhoria e definiu-o não como “terapia” mas como uma “cura”, apesar de não haver provas científicas que sustentem essa conclusão.

Quando pediu autorização de emergência em outubro, a Regeneron disse que, uma vez concedida, o Governo dos EUA tinha “assumido o compromisso de disponibilizar doses aos americanos sem custos” e que seria responsável pela sua distribuição.

A autorização de emergência surge no mesmo dia em que os Estados Unidos ultrapassaram 12 milhões de infetados com o novo coronavírus e já contam com mais de 255 mil mortos, mais do que qualquer outro país do mundo.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.373.381 mortos resultantes de mais de 57,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários