Regulador americano autoriza terceira dose da Pfizer para idosos e adultos de risco (com áudio)

A Food and Drug Administration (FDA) anunciou que os adultos com mais de 65 anos podem receber a terceira dose da vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech, desde que seis meses após a segunda dose. A autorização estende-se ainda a adultos que estejam em risco elevado de contrair complicações severas após a infeção.

Paulo Cunha/Lusa

O regulador norte-americano autorizou a dose de reforço da Pfizer para idosos e adultos que estão inseridos na categoria de “alto risco”, ou seja, quem tem comorbilidades associadas.

Food and Drug Administration (FDA) anunciou que os adultos com mais de 65 anos podem receber a terceira dose da vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech, desde que seis meses após a segunda dose. A autorização estende-se ainda a adultos que estejam em risco elevado de contrair complicações severas após a infeção.

“Hoje [22 de setembro], a FDA alterou a autorização do uso de emergência para a vacina Pfizer/BioNTech Covid-19 para permitir o uso de uma única dose de reforço”. Para o regulador, esta dose deve ser administrada a “indivíduos com 65 anos ou mais”, “indivíduos de 18 a 64 anos de idade com alto risco de contrair Covid-19 grave” e “indivíduos de 18 a 64 anos cuja exposição institucional ou ocupacional frequente ao SARS-CoV-2 os coloca em risco elevado de complicações graves de Covid-19, incluindo a Covid-19 grave”.

Em comunicado, a FDA aponta que esta decisão foi tomada após consultar “a ciência e os dados atualmente disponíveis”. “Depois de considerar a totalidade das evidências científicas disponíveis e as deliberações do nosso comité consultivo de especialistas externos independentes, a FDA alterou a vacina Pfizer/BioNTech para permitir uma dose de reforço em certas populações, como profissionais de saúde, professores e funcionários de creches, trabalhadores de mercearias e instituições sem-abrigo ou prisões”, notou a comissária Janet Woodcock, no comunicado emitido.

Assim, esta autorização deve englobar primeiramente os profissionais de saúde e posteriormente os americanos mais vulneráveis. Estes cidadãos vão poder receber a vacina em farmácias, clínicas de saúde ou consultórios médicos.

Aproximadamente, 22 milhões de americanos já receberam a segunda dose há seis meses, estando agora elegíveis para a dose de reforço, sendo que perto de metade soma mais de 65 anos.

Por enquanto, esta dose está apenas disponível para quem recebeu a vacina da Pfizer, sendo que quem recebeu as vacinas da Moderna e Johnson & Johnson têm de esperar por um parecer do regulador.

Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Pandemia com tendência crescente entre população acima dos 80 anos

Apesar de manter uma intensidade reduzida e incidência estável, o que resulta em baixa mortalidade e pressão nos serviços de saúde, a pandemia volta a dar sinais de crescimento em quase todas as regiões do país, com o R(t) a nível nacional a chegar a 1,00.
Comentários