Reino Unido. Empresas podem ter de pagar até 30% do salário a quem está em lay-off

O governo do Reino Unido estendeu o esquema de retenção de empregos por mais quatro meses, na tentativa de amortizar o impacto do novo coronavírus na economia britânica.

Reino Unido | Getty Images

O Reino Unido elaborou alguns planos que exigem às empresas empregadoras cobrir entre 20% e 30% dos salários dos funcionário no mês de agosto, avança o jornal britânico ‘The Times’ citado pela ‘Reuters’. O objetivo desta medida, que o governo de Boris Johnson pretende implementar, é reduzir o fardo da crise da Covid-19 para o Executivo e melhorar as condições dos contribuintes britânicos.

No passado dia 12 de maio, o governo do Reino Unido estendeu o esquema de retenção de empregos por mais quatro meses, na tentativa de amortizar o impacto do novo coronavírus na economia britânica. No entanto, após anunciar a medida, o Executivo deixou claro que os empregadores teriam de ajudar a cobrir parte dos custos, garantindo parte dos salários a partir de agosto a quem se encontra em lay-off.

“O Tesouro desenhou um plano que requer aos empregadores cobrirem entre 20% e 30% dos salários do pessoal”, avançou o ‘The Times’, acrescentando que as empresas ainda seriam obrigadas a cobrir o custo das contribuições do seguro nacional de empregador, o que equivale a 5% dos salários.

Apesar do gabinete do ministro das Finanças, Rishi Sunak, negar responder ao ‘The Times’, esta deverá ser uma medida apresentada ao setor empregador durante a próxima semana. Sunak afirmou que o país estava a atravessar uma “séria crise económica” e que muitos postos de emprego iam ser perdidos durante os próximos meses.

Recomendadas

“Primeira Pessoa”. “Fundos europeus? Quem come a semente não chega ao fruto”

Cinco anos depois de ter conseguido mais de 150 mil votos, Vitorino Silva volta a candidatar-se à Presidência da República. Em entrevista ao programa “Primeira Pessoa”, da plataforma multimédia JE TV, o candidato deu a sua visão de como devem ser encarados os fundos europeus.

Catarina Martins ouve de António Costa que “ainda não chegámos ao ponto” da requisição civil da saúde privada

Coordenadora do Bloco de Esquerda disse que as camas disponibilizadas pelos hospitais privados são “uma gota de água no meio de um tsunami” e voltou a exigiri que toda a capacidade instalada de saúde em Portugal fique “sob a alçada e articulação” do Serviço Nacional de Saúde.

António Costa avança com antecipação de mais de mil milhões de euros do Plano de Recuperação e Resiliência

Primeiro-ministro teve “esforço titânico do Governo” para injetar liquidez na economia elogiado pela líder parlamentar socialista Ana Catarina Mendes.
Comentários