Reino Unido, Nova Iorque e Japão: bolsas competem pelo IPO mais valioso do mundo

Londres, Nova Iorque ou Hong Kong querem ser as escolhidas na oferta pública inicial da Saudi Aramco.

A Arábia Saudita pretende vender cerca de 5% da Saudi Aramco numa oferta pública inicial (IPO sigla em inglês) já no próximo ano. Face à notícia sobre a venda das ações da petrolífera estatal saudita ao público, as bolsas do Reino Unido, Nova Iorque e Japão estão a competir entre si.

O reino do Médio Oriente planeia negociar na bolsa de valores saudita em Riyadh e vender ações em pelo menos uma bolsa fora do país. A escolha em questão está a colocar os principais centros financeiros globais em competição, uma vez que se trata de uma venda que poderá valorizar o maior exportador de petróleo em 2 bilhões de libras.

Considerado o potencial IPO mais valioso do mundo, na corrida estão cidades como Hong Kong e Tóquio, e ainda Singapura e Toronto. Os nova-iorquinos tentam conquistar a Arábia Saudita através da relação que o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman tem cultivado com o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump.

Quanto a Londres, segundo fontes contactadas pela agência Bloomberg, melhorou as hipóteses de namoro com os sauditas quando, no mês passado, os supervisores da Bolsa de Valores de Londres propuseram alterações às regras, o que facilitaria os governos na listagem das suas entidades apoiadas pelo Estado.

Brevemente, Mohammed bin Salman vai decidir em que local vai vender as ações da petrolífera Saudi Aramco, adiantaram os mesmas porta-vozes. O príncipe herdeiro já terá apresentado aos funcionários do governo uma explicação sobre o processo de venda, na semana passada.

Relacionadas

Secretário de Estado dos EUA reúne com rei saudita para discutir crise no Qatar

Visita de Tillerson faz parte de um tour que está a fazer pelo Kuwait, Qatar e Arábia Saudita para tentar encontrar uma solução para questões regionais.

“Declaração de guerra contra o reino”: Arábia Saudita e Qatar em crise diplomática sem fim à vista

O Qatar nega veementemente as acusações que lhe são imputadas e acusa a Arábia Saudita de estar constantemente a inventar mentiras para minar as relações no Médio Oriente.

Ingleses e sauditas investem 100 milhões de euros no Porto

As firmas MEFIC Capital e Round Hill Capital compraram em conjunto um terreno de 7,8 hectares. O empreendimento deverá estar concluído no período de quatro a cinco anos.
Recomendadas

EUA. Republicanos do Senado poderão rejeitar pacote de 1,9 biliões de Joe Biden

Os republicanos acreditam que o plano do presidente norte-americano para recuperação da crise provocada pela pandemia inclui medidas que nada têm a ver com alívio à Covid-19. A vice-presidente, Kamala Harris, poderá ter de desempatar a votação do projeto de lei.

Malta reclama pagamento de impostos em dívida a empresa ligada a Isabel dos Santos

A autoridade tributária do país está a reclamar o pagamento de 191 mil euros de impostos à empresa de consultoria Kento Holding.

Sarkozy condenado a três anos de prisão por corrupção ativa e tráfico de influências

O antigo presidente francês foi considerado culpado de corrupção ativa a um magistrado e de tráfico de influências. Foi condenado a três anos de prisão, com dois de pena suspensa.
Comentários