Reino Unido. Recessão de 14% poderá aumentar dívida pública em 400 mil milhões de libras

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras.

Londres, Inglaterra – 122 euros

O Departamento de Responsabilidade Orçamental (OBR, sigla em inglês) britânico admite que o impacto da pandemia de covid-19 e das medidas de contenção pode trazer uma quebra de 14% no Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido em 2020.

De acordo com as estimativas divulgadas, esta terça-feira, pela “Reuters” os riscos do governo britânico ter de ir aos mercados financiar-se para sobreviver aos danos da Covid-19 serão elevados. As contas dos analistas apontam para uma dívida pública que poderá aproximar-se dos 400 mil milhões de libras (cerca de 440,57 mil milhões de euros).

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras (289,67 mil milhões de euros).

A previsão vai em linha com as estimativas divulgadas pelo Banco de Inglaterra (BoE, sigla em inglês) no início deste mês. De acordo com os dados do BoE antecipa-se a maior recessão económica dos últimos 300 anos que deverá contrair-se em 14%.

O quadro apresentado aponta descidas significativas num conjunto de indicadores como o investimento empresarial (-26%), despesas domésticas (-14%) e rendimentos médios (-2%).

No segundo trimestre do ano, a quebra do PIB pode atingir os 25%, mas para o final de 2020, o Banco de Inglaterra admite “recuperação”. O quadro geral refere, assim, “uma queda muito acentuada do PIB do Reino Unido em 2020”, acompanhada de uma subida dos números do desemprego.

Ler mais

Recomendadas

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).
Comentários