PremiumRelógios: Tentações fortes para 2021

A pandemia chegou, sem aviso prévio, e provou que não há certezas, mesmo no mundo das horas certas. A indústria suíça confronta-se assim com vários dilemas, sendo este um dos maiores: há necessidade de feiras, num mundo cada vez mais digital?

Muitos relógios inspiram sonhos. E outros são verdadeiros sonhos. Não há razão para muita admiração, porque a história da indústria relojoeira cruza-se com a dos sonhos que podem ser concretizados. Victor Hugo dizia que: “Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã”. Foi o sonho de um lugar seguro para muitos artesãos que tornou a Suíça um país fulcral nessa indústria.

Talvez por isso alguns relógios acabam por ser a concretização de muitos sonhos: dos que os criaram e dos que os adquirem. E a alta relojoaria soube, ao longo de centenas de anos, concretizar essses sonhos que têm a ver com a capacidade de guardar o tempo e de o olhar como uma arte. Isto mesmo em tempos onde nem as bolas de cristal permitem revelar o que vai suceder nos próximos anos ou antever os desafios que se colocam às marcas (grandes e pequenas) que se dedicam à concretizaçao dos sonhos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Monica Bellucci vai interpretar Maria Callas no Festival de Almada

Um espetáculo com a atriz italiana Monica Bellucci, a reencarnar e dar voz à soprano Maria Callas, será um dos momentos altos do Festival de Teatro de Almada, cuja programação completa será anunciada a 18 de junho.

Novo livro de José Sócrates ainda não conseguiu vender 500 exemplares

Lançado a 15 de abril, “Só Agora Começou” não se encontra entre os 100 livros mais vendidos em Portugal. Livro que analisa de forma muito crítica o envolvimento do seu autor na “Operação Marquês” tem prefácio de Dilma Rousseff e também foi editado no Brasil.

PremiumJulião Sarmento: Eternamente indisponível para banalidades

Foi um dos mais internacionais artistas portugueses, mas também um dos mais internacionalistas, para quem as fronteiras foram sempre desprezíveis ou inexistentes. Soares não falhou a possibilidade de o tornar comendador, não fosse o destino reservar-lhe o impossível anonimato.
Comentários