Relvas passa a apoiar Montenegro na segunda volta das eleições do PSD

Para o antigo membro do Governo de Pedro Passos Coelho, é claro que “o PSD queria mudar depois de duas derrotas muito significativas, derrota nas legislativas com 28% e nas europeias com 21%”.

Miguel Relvas, antigo secretário-geral do PSD e antigo apoiante de Miguel Pinto Luz, vai apoiar Luís Montenegro na segunda volta das eleições diretas do PSD, adianta a “Rádio Renascença” na sua página online.

Para o antigo membro do Governo de Pedro Passos Coelho, é claro que “o PSD queria mudar depois de duas derrotas muito significativas, derrota nas legislativas com 28% e nas europeias com 21%”.

Miguel Relvas não se atemoriza com o resultado de Rui Rio na primeira volta das eleições mas não hesita em dizer que cabe agora a Luís Montenegro demonstrar que, mais do que o segunda volta, é uma nova eleição”.

Antes, já os líderes das distritais de Lisboa e de Setúbal, Ângelo Pereira e Bruno Vitorino, e o antigo secretário-geral do PSD Matos Rosa já tinham apelado ao voto em Montenegro.

O atual presidente do PSD, Rui Rio, foi o candidato mais votado nas eleições diretas de sábado com 49,44% dos votos expressos, segundo os resultados provisórios divulgados pelo Conselho de Jurisdição Nacional, mas não conseguiu a maioria absoluta, pelo que irá disputar no sábado uma segunda volta com Luís Montenegro, que obteve 41,26% dos votos.

Recomendadas

OE2020: ‘coligação negativa’ para descer IVA da eletricidade ganha força e faz tremer Governo

O PSD e PCP estão disponíveis para negociar com o BE. Dizem que um eventual apoio a propostas semelhantes de outros partidos não deve ser “diabolizado” e não seria “nenhuma coligação circunstancial ou negativa”. O BE diz que não desiste da redução do IVA da eletricidade para a taxa mínima, mas deixa em aberto uma eventual negociação com o PSD e PCP. PS garante estar empenhado contra “coligações negativas”.

Iniciativa Liberal responde a “taxa Netflix” do Bloco com fim de todas as taxas de televisão

Proposta de alteração à proposta do Orçamento do Estado para 2020 também defende fim da contribuição audiovisual, que seria a consequência da privatização da RTP. E que na cultura “se deve incentivar a procura, ao invés de se dar subsídios à oferta, muitas vezes de forma pouco transparente”.

Elisa Ferreira: “Europa tem de começar a pensar seriamente em reforçar o orçamento com recursos próprios”

A comissária europeia para a Coesão e Reformas lamentou a proposta da Finlândia de alocar 1,07% do rendimento nacional bruto dos Estados-membros ao orçamento comunitário e admite que seria preciso ter ido “mais longe” mesmo na sugestão da Comissão, que é de 1,11%.
Comentários