Remuneração total bruta do CEO da Galp subiu para 1,75 milhões em 2018

Carlos Gomes da Silva e os restantes seis administradores executivos da Galp obtiveram uma remuneração total bruta de 6,35 milhões de euros em 2018, um valor que compara com os 6,15 milhões de vencimentos em 2017.

Cristina Bernardo

O presidente-executivo e vice-presidente do conselho de administração da Galp Energia, Carlos Gomes da Silva, viu a sua remuneração total bruta crescer 2,99%, para 1.755,769 euros em 2018, de acordo com o relatório de governo societário da petrolífera enviado esta quarta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. O valor observado compara com os 1.704,202 euros auferidos por Gomes da Silva em 2017.

A subida da remuneração de Carlos Gomes da Silva aconteceu num ano em que os lucros da petrolífera subiram 23% para 707 milhões de euros em 2018 face a período homólogo, devido ao aumento de produção de petróleo e de gás natural e também pela subida dos preços nos mercados internacionais.

De forma repartida, o vencimento total bruto deste administrador executivo da Galp contemplou, em 2018, 980 mil euros em remuneração fixa, 420 mil euros brutos em vencimento variável, 245 mil euros brutos sobre o plano poupança reforma e 110.769 euros brutos por “outros benefícios”.

Ao aumento na remuneração total bruta de Carlos Gomes da Silva, acresce também o facto de que a Galp Energia ter onerado ainda mais os seus sete administradores executivos em 2018: são 6,35 milhões de euros face aos 6,15 milhões distribuídos em 2017, por remunerações totais brutas.

Remuneração total bruta dos administradores executivos da Galp, em 2018. Fonte: relatório de governo societário da Galp, via CMVM.

 

Quanto aos doze administradores não executivos, registou-se uma remuneração total bruta de 558 mil euros, face aos 575 mil euros repartidos em 2017. Note-se que a presidente do conselho de administração da Galp, Paula Amorim, não teve qualquer remuneração em 2018, pela função não executiva que desempenha na petrolífera.

Remuneração total bruta dos administradores não executivos da Galp, em 2018. Fonte: relatório de governo societário da Galp, via CMVM.

 

Lucros da Galp sobem 23% para 707 milhões de euros em 2018

Recomendadas

EDP Renováveis fecha contrato de aquisição de energia de 15 anos para um projeto eólico no Canadá

A EDP Renováveis fechou um contrato com a TransCanada Energy para a venda da energia verde do seu parque eólico de Shap Hills, no Canadá.

Aon e Firma estabelecem parceria para soluções globais de financiamento das empresas

Bernardo Theotónio-Pereira explica a parceria com “as necessidades actuais das empresas” que “passam, na sua maioria, por soluções de tesouraria e de funding céleres e independentes da burocracia e lentidão da banca nacional e/ou de outros players ou fundos ‘abutres’ que se instalaram em Portugal ”.

Quem é a Evergrande e porque está a assustar os mercados mundiais?

A iminência de incumprimento por parte do gigante chinês do imobiliário fez tremer os mercados e há já quem tema um impacto sistémico de elevadas proporções. O Jornal Económico falou com analistas do mercado e com o CEO da Vanguard Properties, que deram a sua visão sobre o que se passou com a Evergrande e que impacto pode ter no mercado.
Comentários