Renegociar o crédito: o que deve saber

A “renegociação por incumprimento” demonstra uma renegociação e/ou novo contrato de crédito com a instituição financeira, em consequência de dívidas/prestações em atraso ou consolidação de créditos detidos e que estavam em incumprimento.

 Sinto-me confuso com a informação do credor pois tenho um crédito renegociado e continua tudo mal no Banco de Portugal (incumprimento). Não posso aceder a cartões, nada! Para que fiz afinal a consolidação dos créditos? Expliquem-me, por favor…

Antes de responder a este consumidor, informamos que qualquer consumidor tem não só o direito de aceder à informação existente a seu respeito na Base de Dados do Banco de Portugal, como também de solicitar ao credor a respetiva retificação ou atualização.

Relativamente à preocupação manifestada por este consumidor, referimos que no MRC-Mapa de Responsabilidades de Crédito da CRC – Central de Responsabilidades de Crédito do BdP-Banco de Portugal constam os créditos registados em nome de cada consumidor nas instituições financeiras que operam em Portugal e supervisionadas por esta entidade. Atualmente pode ser obtida informação de crédito com referência aos últimos cinco anos.

O tipo de negociação

De acordo com o definido pelo BdP quando um crédito é renegociado, esse  “tipo de negociação” poderá ser incluída num dos seguintes quadros:

  • Totalmente nova – O contrato em causa é uma operação nova. Não resulta de uma renegociação, nem de uma renovação de um contrato anterior.
  • Renegociação regular – O contrato em causa resulta da renegociação de um contrato anterior.
  • Renegociação por incumprimento – O contrato em causa resulta da renegociação de um contrato anterior, motivada por falta de pagamento do crédito.
  • Renovação automática – O contrato em causa resulta de uma renovação automática de um contrato anterior.

Renegociação por incumprimento

A “renegociação por incumprimento” demonstra uma renegociação e/ou novo contrato de crédito com a instituição financeira, em consequência de dívidas/prestações em atraso ou consolidação de créditos detidos e que estavam em incumprimento.

Este tipo de informação, a que as instituições financeiras supervisionadas pelo Banco de Portugal têm acesso, poderá influir negativamente aquando da futura avaliação de solvabilidade do devedor, ou seja, o consumidor pode, nesta circunstância, ser impedido do acesso a cartões de crédito, por exemplo.

Informe-se dos seus direitos.

Procure-nos em: DECO MADEIRA está à sua espera na Loja do Munícipe do Caniço, Edifício Jardins do Caniço loja 25, Rua Doutor Francisco Peres; 9125 – 014 Caniço; deco.madeira@deco.pt

Ler mais
Recomendadas

Renda acessível. Câmara de Lisboa vai propor novo modelo até ao final do ano

Fernando Medina referiu que o novo modelo “não é o original”, mas notou que “é o possível” neste momento, não adiantando mais pormenores acerca da proposta que submeterá à apreciação do executivo.

Maioria dos consumidores “digitais” não abdica de visitar uma loja física para ver o artigo

Os jovens consumidores portugueses, geração entre os 18 e os 34 anos, gostam de procurar os produtos online, mas depois compram-nos na loja física. Apesar de preferirem mais as compras em lojas físicas do que os seus pares europeus, os millennials portugueses são os que mais referem interagir com os retalhistas nas redes sociais.
Comentários