Reserva Federal mantém taxa de juro e programa de compra de ativos inalterados

A incerteza que rodeia as eleições presidenciais e a ausência de um novo pacote de estímulos orçamentais, que Jerome Powell tem dito ser urgente, são fatores que terão levado o banco central a adiar qualquer mexidas nas taxas ou nos estímulos.

REUTERS/Kevin Lamarque

A Reserva Federal (Fed) manteve esta quinta-feira inalterada a taxa de juro diretora no intervalo entre 0% e 0,25%. A decisão, que era esperada pelos analistas , foi divulgada por comunicado depois da reunião de dois dias do Federal Open Market Committee (FOMC).

A reunião de dois dias foi adiada devido às eleições de 3 de novembro. Segundo os analistas, a incerteza em relação ao vencedor e a ausência de um acordo entre os democratas e os republicanos para um novo pacote de estimulos orçamentais para apoiar as empresas e os desempregados são dois fatores que deverão ter levado o FOMC deixar inalterada a política monetária.

A 3 de março, a instituição liderada por Jerome Powell cortou a federal funds rate em 50 pontos base (p.b.) para 1%-1,25%, e depois em mais 100 p.b. a 15 de março, explicando que espera manter este intervalo alvo até estar confiante que a economia já ultrapassou os impactos causados pela Covid-19.

Desde essa altura, a Fed anunciou o lançamento de diversos estímulos monetários, com destaque para um programa de compra de ativos sem limite de valor ou tempo e que inclui um leque alargado de securities. Também lançou fundos para as empresas e as famílias, mais operações repo, cooperação internacional e deu apoio aos enormes estímulos orçamentais criados pela administração Trump.

Nas últimas semanas Jerome Powell tem sublinhado a necessidade de estímulos orçamentais, dizendo que a recuperação da maior economia do mundo está ainda em curso e que os riscos relacionados com a intervenção na economia são assimétricos: é mais arriscado neste momento agir de menos do que agir demasiado.

[Em atualização]

Ler mais

Relacionadas

Jerome Powell sobre os estímulos: não agir é mais arriscado do que exagerar nos apoios

“Uma desaceleração prolongada no ritmo de melhoria ao longo do tempo pode desencadear uma dinâmica recessiva típica, à medida que a fraqueza se alimenta da fraqueza”, alertou o presidente do banco central dos Estados Unidos. Mesmo que as medidas para evitar isso sejam exageradas, não serão desperdiçadas, acrescentou.

Reserva Federal mantém taxa de juro inalterada e sinaliza que deverá continuar perto de zero nos próximos três anos

A decisão, que era esperada pelos analistas foi divulgada por comunicado, depois da reunião de dois dias do Federal Open Market Committee (FOMC).
Recomendadas

IGCP volta hoje ao mercado com dois leilões entre 1.000 e 1.250 milhões de euros

A entidade já tem previsto mais dois leilões, um no dia 19 de maio, para entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros e outro no dia 16 de junho, com um montante previsto entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros, de acordo com informação no ‘site’ do IGCP.

Portugal corre o maior risco na UE de uma crise prolongada, afirma o banco ING

A elevada exposição ao turismo e outros sectores vulneráveis, o que significa uma percentagem considerável da economia sem a possibilidade de teletrabalho, bem como fragilidades macro e falta de literacia digital colocam o país em risco de uma crise profunda que, juntamente com o resto do Sul da Europa, pode resultar num agravamento do fosso em relação ao Norte mais desenvolvido.

Venda de combustível nos postos de abastecimento cai mais em fevereiro

Daí que a procura e consumo de produtos petrolíferos devam aumentar, sobretudo a partir do segundo semestre deste ano, devendo apesar de tudo “começar a ser sentido de forma mais clara a partir dos meses de abril e maio deste ano”.
Comentários