Respostas Rápidas. Autarquia de Lisboa partilhou informações pessoais com quantas embaixadas?

Depois do escândalo da partilha de dados de ativistas russos, sabe-se agora que a Câmara de Lisboa também partilhou os dados de ativistas pró-Palestina com a embaixada de Israel e que mais dados foram partilhados com China e Venezuela.

Cristina Bernardo

Depois do escândalo com a partilha de dados de três ativistas anti-Putin com a embaixada russa, em Lisboa, e com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Moscovo, sabe-se agora que este não foi um procedimento único e que, em anos passados, o mesmo se sucedeu com outras embaixadas.

O presidente da Câmara de Lisboa (CML), Fernando Medina, já pediu desculpas pelo “erro lamentável” e adiantou que o procedimento já foi alterado para evitar que uma situação idêntica volte a acontecer.

Em que outras situações a autarquia de Lisboa partilhou dados com governos estrangeiros?

Além das embaixadas da Rússia, também Israel recebeu informações sobre manifestações em Lisboa Pró-Palestina, tendo a autarquia partilhado ainda dados sobre a manifestação do Grupo de Apoio ao Tibete com a embaixada chinesa e sobre a concentração “em solidariedade com o povo da Venezuela” com a respetiva embaixada. Todas estas aconteceram em 2019, de acordo com o “Público“.

Que tipo de informações são partilhadas?

Não é certo que o mesmo foi feito com as restantes embaixadas, mas no caso da Rússia, os nomes, as moradas, a profissão, um número de identificação e um contacto telefónico seguiram por e-mail da câmara para a PSP, para o Ministério da Administração Interna (MAI), para vários serviços internos e para duas caixas de correio dos serviços consulares russos em Lisboa.

Os dados de todos os manifestantes presentes foi enviada para estas entidades?

Não. Segundo a imprensa nacional, apenas três manifestantes (com dupla nacionalidade, russa e portuguesa) — que fizeram um pedido à Câmara Municipal para realizar uma manifestação em frente ao edifício da embaixada russa em Lisboa — viram os seus dados pessoas a serem remetidos para a embaixada russa.

Como foram obtidos esses dados?  

Estes são os dados que devem ser fornecidos à autarquia na altura do pedido de autorização de manifestação.

A quem foram enviadas estas informações?

Quanto à polémica com os manifestantes russos, o “Público” sabe que, para além da embaixada daquele país, em Lisboa, também o Ministério dos Negócios Estrangeiros na Rússia recebeu esses dados.

No entanto, o diplomata russo, em Lisboa, já veio desmentir o mesmo anunciado que eliminou os dados dos manifestantes do protesto contra o governo de Putin realizado em Lisboa e frisando que as informações não foram transmitidas a Moscovo.

É comum este tipo de procedimentos?

Ao que indica Fernando Medina, sim, mas só até abril.

Segundo o autarca, a CML segue uma regra que não está escrita na lei, mas que é adoptada em Lisboa, pelo menos, desde 2011. Desde essa altura, quando foram extintos os governos civis, a competência de gerir as manifestações transitou para as câmaras.

No entanto, em entrevista à “RTP“, Fernando Medina afirma que “em abril, foi feito um pedido para ser avaliada a transmissão de dados. Foi determinado na câmara que essa partilha de dados não deveria ser feita, foi alterado o procedimento e daí para frente foi corrigido. Não houve mais dados pessoas transmitidos a nenhuma embaixada relativamente a esta matéria”.

Que medidas foram adotadas?

Para já, a autarquia aguarda pelo resultado da auditoria, que analisa ” os procedimentos adotados em todas as manifestações que aconteceram para trás” que foi pedida pelo próprio presidente. Fernando Medina garantiu ainda que a partir de agora, apenas a Polícia de Segurança Pública (PSP) e o Ministério da Administração Interna (MAI) serão avisados.

Também a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) abriu um processo de averiguações à partilha de dados pessoais por parte da Câmara de Lisboa, depois de uma denúncia recebida nesta quarta-feira.

Quais foram as reações políticas?

O presidente do PSD, Rui Rio, considerou já que o envio de dados pessoais de três manifestantes à Rússia é “gravíssimo” e “tem que ser esclarecido”. Já o candidato à Câmara de Lisboa pelo PSD, Carlos Moedas disse que o presidente Fernando Medina terá de se demitir caso o envio de dados se confirmar.

Por sua vez, a candidata do Bloco de Esquerda nas próximas autárquicas, Beatriz Gomes Dias, também considera que “a confirmar-se, é uma inadmissível violação da lei”.

Entre os comunistas, o líder do partido, Jerónimo de Sousa sublinhou a “gravidade” da situação em caso de se confirmar.

Relacionadas

Embaixada da Rússia não enviou dados de manifestantes a Moscovo (com áudio)

“Se fôssemos conservar esses dados, iríamos ter uma biblioteca de dados. Por isso repito: não conservámos, não mandámos a Moscovo, porque isso não interessa, são umas coisas minúsculas que passam”, declarou o embaixador da Rússia em Portugal, Mikhail Kamynin.

Câmara de Lisboa também partilhou informações com Israel, China e Venezuela

Não só a Câmara de Lisboa partilhou informações de ativistas russos com a embaixada russa em Lisboa, como também o fez com Israel, China e Venezuela noutros casos, avança o “Público”.

Rússia: Medina pediu auditoria sobre realização de outras manifestações em Lisboa (com áudio)

O presidente da Câmara de Lisboa anunciou que pediu uma auditoria sobre a realização de manifestações no município nos últimos anos, no seguimento da partilha indevida de dados de ativistas russos.

Ativistas russos vão apresentar queixa contra Câmara Municipal de Lisboa

Os ativistas russos cujos dados foram partilhados anunciaram hoje que vão apresentar uma queixa na justiça contra a Câmara Municipal de Lisboa para que tal “não volte a acontecer” com cidadãos portugueses.
Recomendadas

G7: Líderes da UE alertam Londres para respeitar acordo de saída

Em causa estão divergências sobre a aplicação do acordo na Irlanda do Norte, onde o Reino Unido tomou medidas unilaterais para mitigar o impacto da introdução de controlos aduaneiros na circulação de algumas mercadorias, como produtos alimentares frescos. 

Bolsonaro age para partidarizar e quebrar espinha das Forças Armadas no Brasil, dizem analistas

Na semana passada, o general e comandante do Exército brasileiro, Paulo Sérgio Oliveira, decidiu não punir o também general do Exército Eduardo Pazuello, que participou num passeio de moto no Rio de Janeiro, com o Presidente da República, e até discursou em cima de um carro de som em 23 de maio.

PremiumDono da Amazon prestes a cumprir um sonho com 40 anos: viajar para o espaço

A primeira vez que Jeff Bezos falou da sua vontade de colonizar o espaço foi em 1982. O que parecia ser um devaneio de juventude não especialmente imaginativo vai ter um ponto alto a 20 de julho, quando o na altura ex-CEO da Amazon voar para lá do limite da Linha Karman.
Comentários