Respostas rápidas: o Brexit está bloqueado? Sim

Depois da derrota histórica de ontem, Theresa May enfrenta hoje uma moção de censura promovida pelos trabalhistas que acaba por ser a mais ligeira de todas as suas dores de cabeça.

Reuters

A moção de censura a Theresa May é um problema grave?

Só em parte. É grave do ponto de vista político porque a moção – avançada pelo líder do Partido Trabalhista poucos momentos depois de ser conhecida a derrota do acordo de Theresa May – só faz sentido no quadro da clamorosa derrota averbada na Câmara dos Comuns pela primeira-ministra. Mas nada indica que a moção saia vitoriosa: os unionistas irlandeses (parceiros do governo, mas que votaram contra o acordo) já disseram que não votarão favoravelmente a moção de censura. Muitos conservadores que estiveram contra o acordo também já disseram que não votam favoravelmente. O caso mais paradigmático é o de Boris Johnson – antigo ministro, um dos primeiros a abandonar Theresa May, uma das vozes mais contrárias ao acordo do Brexit tal como ele está e putativo candidato à sucessão de May – que já disse que votará ‘não’ à moção de censura (ou de não confiança, como lhe chama Jeremy Corbyn, o seu autor).

 

Se a moção de censura for derrotada, quais serão as consequências?

Na prática, apenas uma: não haverá eleições antecipadas.

 

A derrota foi muito dura?

Não era fácil ser mais dura. As projeções menos otimistas (ou mais, dependendo do ponto de vista) anunciavam que a diferença entre os votos a favor do acordo apresentado por Theresa May e os votos contra poderia chegar aos 130. Afinal, chegou aos 230. Mas o número mais incrível é, apesar de tudo, outro: 118 deputados conservadores votaram contra o acordo – o que quer dizer que apenas 67% do seu próprio grupo parlamentar alinhou ao lado da primeira-ministra.

 

O que se segue?

A apresentação por parte de Theresa May de uma espécie de memorando em que tentará alinhar os próximos passos do Brexit, nomeadamente no que tem a ver com a União Europeia. Se não estiver já feito, esse documento deverá ser entregue na Câmara dos Comuns no dia 21 de janeiro, segunda-feira. Independentemente do que lá vier escrito, o presidente dos organismos da União Europeia deverão convocar para muito brevemente uma cimeira de chefes de Estado e de governo dos 27.

 

Para o que servirá essa cimeira?

Muito provavelmente para os 27 jurarem a sua fidelidade ao acordo que Theresa May tem nas mãos e para exortarem os britânicos a aceitá-lo.

 

Poderá ser encontrada uma saída que permita um acordo?

Não. A questão é tão simples quando isto: o que está verdadeiramente a impedir o Brexit é a questão da fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda. Como está mais que evidenciado, nem a União Europeia, nem o governo de Theresa May, nem os seus opositores conservadores que querem um Brexit duro, nem os trabalhistas britânicos têm uma solução para o problema. E não têm porque não há nenhum documento (comum ou não) que, no final de mais de dois anos de conversações entre Londres e Bruxelas, lance um vislumbre de solução que possa ser discutida entre todas as partes. Essa solução simplesmente não existe. A única coisa que existe acordada entre Londres e Bruxelas é que as duas capitais têm dois anos para encontrarem uma solução para o assunto, tendo acordado previamente que podem estender esse prazo se até lá não a tiverem encontrado. Ou, dito de outra forma: não há uma única pessoa nos 28 países da União que saiba como resolver o problema. E é por isso que o Brexit está completamente bloqueado.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários