Respostas Rápidas: Quanto custa a escritura de um imóvel?

Um dos grandes custos associados à compra de uma casa reside na realização da escritura. Descubra, neste artigo, quanto lhe poderá custar este processo.

Variando o custo da escritura de um imóvel consoante um conjunto de fatores, nomeadamente o seu preço de aquisição, e se trata da primeira ou da segunda habitação, não existe nenhuma tabela de custos previamente estabelecida.

A escritura em si (portanto, este documento propriamente dito) não tem um custo demasiado elevado, mas acrescem-lhe uma série de impostos que quem vai adquirir a casa tem de pagar. Caso exista recurso a crédito à habitação, os encargos serão mais elevados na medida em que há lugar à cobrança de imposto de selo sobre o empréstimo.

Eis os custos a ter em conta:

  • Imposto do selo sobre a transação = 0,8%
  • [Caso se recorra a crédito habitação] Imposto do selo sobre o crédito (acima de 5 mil euros) = 0,6%
  • Registo da escritura (que pode ser em Balcão único na Conservatória, em advogados, em Notário público ou privado ou até nos balcões do serviço Casa Pronta) = custo variável
  • Pagamento do IMT = Valor de Escritura ou Valor Patrimonial Tributário (o maior destes dois) x Taxa a aplicar – Parcela a abater

Note-se que, no cálculo do IMT, a parcela correspondente a “Parcela a abater” corresponde ao rendimento coletável (que varia consoante o preço da casa) conforme a tabela abaixo:

 

Rendimento coletávelTaxaParcela a abater
Até 92.407,00 €0%0€
Mais de 92.407,00€ até 126.403,00€2%1.848,14€
Mais de 126.403,00€ até 172.348,00€5%5.640,23€
Mais de 172.348,00€ até 287.213,00€7%9.087,22€
Mais de 287.213,00€ até 574.323,00€8%11.959,26€
Mais de 574.323,00€6%0€

 

Exemplo prático:

O Tiago e a Rosa vão adquirir um imóvel para habitação própria permanente, que custa 170 mil euros. Para tal, solicitaram um empréstimo ao banco, que financiou a 80% – o que significa que o valor do empréstimo à habitação é de 136 mil euros. Para estes valores, o casal irá pagar no ato da escritura:

  • Imposto do Selo sobre a transação: 1.360 euros
  • Imposto do Selo sobre o crédito à habitação: 816 euros
  • Registos da escritura em papel: 650 euros
  • IMT: (170.000€ x 0,05) – 5.640,23€ = 2.859,77€

Portanto, neste caso, o custo total que o Tiago e Rosa vão ter no dia em que assinarão a escritura é de 5.685,77 euros.

Poderá aprofundar este tema aqui.

Ler mais
Relacionadas

Comprar uma casa ainda em construção é um bom negócio?

É normal os bancos concederem adiantamentos (período de tempo em que só se liquidam juros) aos consumidores que desejam comprar casas em construção, tecnicamente designadas por casas em planta. Mas será algo vantajoso? Descubra, neste artigo, se o desconto no preço compensa as dores de cabeça que poderá vir a ter.

Vai comprar casa? Poupe ao usar o serviço Casa Pronta

Para além de acabar com longas filas de espera e muitas horas perdidas, o serviço Casa Pronta possibilita uma poupança de cerca de 70%. Saiba tudo sobre o tema neste artigo.

Respostas Rápidas: Ainda é possível obter crédito habitação com 100% de financiamento?

Descubra se os bancos ainda concedem financiamento sem exigirem qualquer entrada inicial ao consumidor.
Recomendadas

Maioria dos portugueses prefere produtos que utilizam a menor embalagem possível

O recente estudo, realizado pela DS Smith e Ipsos MORI mostra que, apesar da crise global de saúde, os consumidores continuam a ter em conta o ambiente: 85% dos inquiridos querem comprar produtos que utilizem a menor embalagem possível

Deco alerta para riscos das compras através de redes sociais

Estas “lojas”, na sua maioria, não se encontram registadas como empresas em Portugal, não possuem um endereço físico de contacto, e, por vezes, não se tratam de vendas de comerciantes, mas sim vendas entre particulares, o que torna mais difícil a resolução de um possível conflito. O endereço físico da loja, ou uma morada para contacto, é essencial para reclamar em caso de conflito.

Economia circular: portugueses gastam mais de 140 euros por ano em bens usados

Em média, o consumidor português gasta 142 euros por ano em bens usados. As razões que motivam estas compras são principalmente a relação qualidade/preço e a sustentabilidade.
Comentários