Respostas Rápidas. Saiba como usar a sua casa para alojamento local

Registo, impostos, publicidade ou seguros. Perceba o que envolve a criação de um alojamento local.

Cristina Bernardo

O que é preciso para ter um alojamento local?

“Tem uma segunda casa, bem situada, e não sabe o que lhe fazer? O alojamento local pode ser a resposta”, explica a Deco. As plataformas online tiraram lugar a anúncios mais tradicionais e o alojamento local está a ganhar espaço face aos hotéis. O primeiro passo é o registo: quem quiser entrar neste negócio deve aceder ao site do Balcão Único Eletrónico e fazer uma comunicação prévia.

A comunicação é acompanhada de uma declaração de início de atividade de prestação de serviços de alojamento na Autoridade Tributária (AT). O registo é obrigatório e uma casa publicidade numa plataforma de alojamento (como a Airbnb) tem de estar identificada com um número de registo.

Quantas pessoas se podem receber?

Apesar de ser muitas vezes usado como um negócio paralelo a uma outra atividade profissional que já se tem, há regras a cumprir. A Deco avisa que é preciso ter em conta as limitações desta forma de alojamento. “Não podemos, simplesmente, receber um batalhão de gente em casa. No caso de moradias ou apartamentos, não é possível ir além dos nove quartos e 30 utentes, sob pena de pagar uma coima até 3.740,98 euros e, conforme a gravidade, a atividade ser suspensa”, explica.

Quais são as obrigações legais e tributárias?

Além do número de pessoas que se pode receber, há outras questões legais a ter em conta. É necessário ter livro de reclamações e também certificação energética (obrigatória se a propriedade se reportar a edifícios ou frações autónomas abrangidas por este sistema de certificação). Se for apanhado a publicitar antes do registo, a coima varia entre os 2.500 e os 3.740,98 euros.

Há ainda os impostos a pagar. Abrir atividade nas Finanças é obrigatório antes de começar. Quando o negócio já arrancou, e se o proprietário tiver rendimentos anuais inferiores a 200 mil euros pode escolher o regime simplificado (que paga uma taxa de imposto de 35% sobre os rendimentos) ou a contabilidade organizada. Se esses rendimentos forem superiores, é obrigatória a contabilidade organizada.

Onde encontro clientes?

O local mais comum (e mais popular) ultimamente são as plataformas online, como a Airbnb ou a Homeaway. A Deco alerta que estes sites divulgam as propriedades, “mas não têm responsabilidade quanto à relação contratual estabelecida entre as partes (proprietário e locatário)”. Podem ajudar a facilitar a resolução de litígios, mas não controlam a qualidade ou a segurança dos anúncios.

E se acontecer alguma coisa à casa?

Há plataformas que permitem a celebração de contratos de seguro em caso de danos causados por alguma das partes do contrato. O conselho da Deco é que o proprietário leia atentamente os termos e condições das plataformas.

“E se o conflito entre a plataforma e o proprietário chegar a vias de facto, ou seja, a tribunal? Estamos a falar de entidades que não têm sede em Portugal. Por isso, em caso de problemas, os tribunais competentes são, regra geral, estrangeiros. Os termos e condições da Rentalia, por exemplo, impõem que as partes se submetam à jurisdição dos tribunais de Madrid”, acrescenta a associação.

Ler mais
Relacionadas

Hotelaria: taxa de ocupação estagna em maio mas hoteleiros estão otimistas para este verão

A taxa de ocupação quarto a nível nacional, em maio último, atingiu os 79%. Por destinos turísticos, destacam-se Lisboa (89%), Porto (88%), Madeira (84%) com o registo de ocupação mais elevado.

Alojamento local: Parlamento aprova intervenção de autarquias e condóminos

Além da intervenção dos municípios na regulação do alojamento local, o diploma estipula que “não pode haver lugar à instalação e exploração de ‘hostels’ em edifícios em propriedade horizontal nos prédios em que coexista habitação sem autorização dos condóminos para o efeito”.

Airbnb diz estar “comprometida em ser o mais transparente possível” com os clientes

Esta posição surge um dia depois da Comissão Europeia instar o serviço Airbnb a harmonizar as suas condições de utilização com as normas de defesa do consumidor da União Europeia (UE) e a ser mais transparente na apresentação dos preços, sob pena de sofrer medidas coercivas.
Recomendadas

Aprovada proposta do Governo para mora no pagamento de renda dos contratos não habitacionais até 31 de dezembro

A nova lei define que os donos de estabelecimentos, forçados a encerrar devido à pandemia, possam usufruir de moratória até 31 de dezembro

Três em cada 10 portugueses permitiria que Governo monitorizasse atividade nas redes sociais

O inquérito da consultora demonstra que apenas 19% dos portugueses que participaram nesta investigação tinham ouvido falar em sistemas de qualificação social. Principal motivo para permitir esta partilha de informação prende-se com o acesso a oportunidades de emprego.

Crédito habitação: 6 formas de negociar o spread com os bancos

Existe um conjunto de requisitos e táticas que permitem negociar o spread com o banco. Descubra quais são.
Comentários