Restaurantes apelam à redução do IVA através dos grupos parlamentares (com áudio)

Para a AHRESP, esta medida “reforçaria a tesouraria das empresas e seria uma forma de revitalizar esta atividade económica, que tem sido das mais penalizadas pela situação pandémica que ainda se vive”.

Feitoria, Lisboa (João Rodrigues)

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) apelou aos grupos parlamentares para que discutam e defendam a redução do IVA para a taxa reduzida de 6% nos serviços de alimentação e bebidas.

“Aproximando-se a discussão do Orçamento do Estado para 2022 [OE2022], a AHRESP apelou aos grupos parlamentares para colocarem na sua agenda a discussão e a defesa da redução do IVA [Imposto sobre Valor Acrescentado] nos serviços de alimentação e bebidas para a taxa reduzida (6% no Continente, 5% na R.A. [Região Autónoma] da Madeira e 4% na R.A. dos Açores)”, informou a associação, no seu boletim diário.

Para a AHRESP, esta medida “reforçaria a tesouraria das empresas e seria uma forma de revitalizar esta atividade económica, que tem sido das mais penalizadas pela situação pandémica que ainda se vive”.

De resto, a associação tem vindo a defender esta proposta desde o início da pandemia, que está consagrada no seu plano “Enfrentar a pandemia – Garantir a sobrevivência”, enviado ao Governo em meados de julho, com 10 medidas para compensar o alojamento turístico e a restauração dos efeitos da pandemia, entre as quais o reforço do programa Apoiar, um novo ‘lay-off’ simplificado e moratórias de crédito e fiscais.

Naquele plano, a AHRESP defende a aplicação temporária da taxa reduzida de IVA a todo o serviço de alimentação e bebidas, que, atualmente, varia entre os 9% e os 23%.

A taxa reduzida de 6% no Continente, 5% na Madeira e 4% nos Açores aplica-se, ao dia de hoje, apenas em refeições prontas a consumir, nos regimes de pronto a comer e levar ou com entrega ao domicílio, no caso do pão, fruta, leites achocolatados e aromatizados, sumos de frutos ou produtos hortícolas, néctares, leite, queijo e iogurtes.

Segundo a AHRESP, “vários países da União Europeia, e não só, têm vindo a aplicar temporariamente a taxa reduzida de IVA à totalidade dos serviços de alimentação e bebidas, por entenderem ser uma medida essencial para o reforço da liquidez das empresas”.

“A abrangência desta medida será ainda mais impactante, dado o efeito indireto e induzido que as nossas atividades económicas têm com outros setores da economia portuguesa, seja do setor primário, secundário e terciário (toda a cadeia de valor)”, sublinhou.

Recomendadas

Autárquicas: Volt diz ser de “mau tom” que PRR seja utilizado para propaganda eleitoral

O líder do Volt Portugal, que participou numa arruada no Porto, considera que a ideia de que os candidatos socialistas possam ser beneficiados na utilização dos fundos do PRR “é inconcebível” e deve fazer Governo e candidatos refletir.

Reatia, a startup de Leiria que juntou algoritmos à venda de casas

“Somos uma startup de Leiria e, por isso, a nossa sede continua a ser, orgulhosamente, nesta cidade”. É desta forma que o empreendedor português Hugo Venâncio, que em 2019 fundou a tecnológica Reatia, começa por explicar ao Jornal Económico (JE) que as raízes da Beira Litoral não se perdem apesar das provas que esta empresa […]

Salário médio dos CEO subiu 1.304% mais do que um trabalhador médio em 40 anos

Só em 2020, os CEOs das 350 maiores empresas dos Estados Unidos ganharam 24,2 milhões de dólares (20,6 milhões de euros), ou 351 vezes o salário do trabalhador médio.
Comentários