Resultado operacional do grupo Bel cresce 26%

Grupo Bel, segundo maior acionista do Jornal Económico, fechou o ano de 2018 com receitas consolidadas de 209 milhões de euros.

O grupo BEL, segundo maior acionista da Megafin – proprietária do Jornal Económico – fechou o ano de 2018 com um lucro antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) de 5,8 milhões de euros, mais 26% que no exercício anterior.

O grupo liderado por Marco Belo Galinha, que detém 19% da Megafin, emprega agora 405 colaboradores, mais meia centena do que no ano anterior. Está presente nos setores da distribuição de tabaco, bebidas e outros produtos, bem como na indústria, imobiliário, tecnologia e mobilidade “verde”. A máquina de café Futurete (na foto), é um dos equipamentos fabricados pelo grupo.

Em 2018, as vendas consolidadas ascenderam a 209 milhões de euros, mais um milhão que no exercício anterior, com o crescimento das vendas a ser limitado pelos fatores climatéricos adversos que se fizeram sentir durante o primeiro semestre. Por sua vez, o resultado líquido consolidado fixou-se em 1,9 milhões de euros.

Grupo aposta nos media, com entrada no Jornal Económico

O grupo está ainda presente noutras empresas que não entram no seu perímetro de consolidação, como a Active Space, que opera no setor aeroespacial. No total, a faturação anual das empresas participadas pelo grupo ascende a cerca de 300 milhões de euros. Em novembro, o grupo Bel assinou um acordo de compra de 19% de capital da Megafin, com uma opção de compra que lhe permitirá reforçar para 35%. O empresário Luís Figueiredo Trindade permanecerá o maior acionista da Megafin, com o controlo de mais de metade do capital.

Para o grupo Bel, a entrada na Megafin visou “reforçar o seu universo empresarial na vertente de comunicação digital, potenciando, assim, novas competências em todas as áreas do grupo”.

“Esta aquisição vai proporcionar novas sinergias entre as suas empresas, nomeadamente com o seu centro de inovação, criado em 2015, onde colaboram cerca de 110 engenheiros juntamente com as restantes empresas do grupo”, acrescentou, frisando que o investimento nos media “deve ser equacionado não só como uma importante oportunidade, mas principalmente como uma estratégia de auxiliar uma área que merece a confiança do investidor pela reputada capacidade dos quadros profissionais que a preenchem”.

 

Recomendadas

Pandemia foi “catastrófica” para sector dos casamentos mas perspetiva é de retoma plena em 2022

Se o sector pensava que em 2021 teria um descanso face ao ano pandémico enganou-se dado que em janeiro do presente ano a economia voltou a ficar suspensa. “Na verdade, entre 2020 e 2021, foram praticamente 18 meses em que esta indústria esteve quase sempre parada, não digo 100% mas 80% em que não se verificou atividade”, refere o diretor-geral da ExpoNoivos.

Brisa selecionada operadora de autoestradas mais sustentável da Europa em 2021

Concessionária escolhida pela terceira vez no “Global Real Estate Sustainability Benchmark” da holandesa GRESB.

Entra hoje em vigor: descida de dois cêntimos no ISP da gasolina e de um cêntimo no ISP do gasóleo

No total, está prevista a devolução de 90 milhões de euros de receita de IVA aos consumidores. A questão agora é saber se as petrolíferas e gasolineiras vão repercutir este alívio no preço dos combustíveis na bomba.
Comentários