Retaliação chinesa afunda Wall Street

Em consequência, os principais índices da bolsa de Nova Iorque caíram a pique. O S&P 500 caiu 2,41%, para 2.811,87 pontos; o industrial Dow Jones perdeu 2,38%, para 25.324,99 pontos,; e o tecnológico Nasdaq tombou 3,41%, para 7.647,02 pontos.

Reuters

As tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China subiram de tom quando o presidente norte-americano, Donald Trump, recorreu ao Twitter para anunciar a subida de 10% para 25% das tarifas às importações chinesas equivalentes a 200 mil milhões de dólares. Pequim contra-atacou e aplicou tarifas às importações norte-americanas equivalentes a 60 mil milhões.

Em consequência, os principais índices da bolsa de Nova Iorque caíram a pique. O S&P 500 caiu 2,41%, para 2.811,87 pontos; o industrial Dow Jones perdeu 2,38%, para 25.324,99 pontos,; e o tecnológico Nasdaq tombou 3,41%, para 7.647,02 pontos.

O conselheiro económico de Donald Trump, Larry Kudlow, disse, este domingo, que espera que o presidente norte-americano e o seu homólogo chinês, Xi Jiping, se encontrem em junho, no âmbito da cimeira do G-20 que se vai realizar no Japão.

Trump voltou ao Twitter para anunciar que o bom trimestre da economia norte-americana se deveu à imposição das tarifas às importações chinesas. O presidente norte-americano também disse que a China não deveria ter retaliado.

 

 

Ler mais
Relacionadas

China aumenta tarifas comerciais e retaliação faz-se sentir em Wall Street

Pequim deu indicações para aumentar as tarifas em importações para 53 mil milhões de euros a partir de 1 de junho. Negociações nos EUA já refletem pessimismo dos investidores.

Guerra de titãs ameaça Bull market de Wall Street

O sentimento deverá ser maioritariamente condicionado pelas notícias ou rumores que forem conhecidos sobre as negociações relativas ao impasse existente na guerra comercial, isto porque enquanto durar esta guerra de titãs, dificilmente os Bulls terão carta branca para puxar pelo mercado.
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários