Retaliação chinesa afunda Wall Street

Em consequência, os principais índices da bolsa de Nova Iorque caíram a pique. O S&P 500 caiu 2,41%, para 2.811,87 pontos; o industrial Dow Jones perdeu 2,38%, para 25.324,99 pontos,; e o tecnológico Nasdaq tombou 3,41%, para 7.647,02 pontos.

Reuters

As tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China subiram de tom quando o presidente norte-americano, Donald Trump, recorreu ao Twitter para anunciar a subida de 10% para 25% das tarifas às importações chinesas equivalentes a 200 mil milhões de dólares. Pequim contra-atacou e aplicou tarifas às importações norte-americanas equivalentes a 60 mil milhões.

Em consequência, os principais índices da bolsa de Nova Iorque caíram a pique. O S&P 500 caiu 2,41%, para 2.811,87 pontos; o industrial Dow Jones perdeu 2,38%, para 25.324,99 pontos,; e o tecnológico Nasdaq tombou 3,41%, para 7.647,02 pontos.

O conselheiro económico de Donald Trump, Larry Kudlow, disse, este domingo, que espera que o presidente norte-americano e o seu homólogo chinês, Xi Jiping, se encontrem em junho, no âmbito da cimeira do G-20 que se vai realizar no Japão.

Trump voltou ao Twitter para anunciar que o bom trimestre da economia norte-americana se deveu à imposição das tarifas às importações chinesas. O presidente norte-americano também disse que a China não deveria ter retaliado.

 

 

Ler mais
Relacionadas

China aumenta tarifas comerciais e retaliação faz-se sentir em Wall Street

Pequim deu indicações para aumentar as tarifas em importações para 53 mil milhões de euros a partir de 1 de junho. Negociações nos EUA já refletem pessimismo dos investidores.

Guerra de titãs ameaça Bull market de Wall Street

O sentimento deverá ser maioritariamente condicionado pelas notícias ou rumores que forem conhecidos sobre as negociações relativas ao impasse existente na guerra comercial, isto porque enquanto durar esta guerra de titãs, dificilmente os Bulls terão carta branca para puxar pelo mercado.
Recomendadas

Wall Street fecha em alta impulsionada pela Alemanha

Os mercados foram impulsionados pela notícia de que a Alemanha prepara estímulos fiscais para evitar uma recessão económica. Wall Street subiu mais de 1%.

EUA: confiança dos consumidores arrefece face a possível recessão económica

Face aos cortes nas taxas de juro da Fed, os consumidores norte-americanos receiam uma possível recessão económica. Previsões dos economistas ficaram aquém dos resultados do relatório da Universidade de Michigan.

Banca surpreendeu investidores e dinamizou praças europeias. BCP foi ‘estrela’ no PSI 20

Na sessão de hoje, manteve-se a suspensão da negociação das ações da Cofina e da Media Capital em virtude das informações que visam o avanço das negociações exclusivas entre a Cofina e a Prisa para a compra da Media Capital.
Comentários