Revolut passa a estar disponível na aplicação Dabox

Os utilizadores – independentemente de serem ou não clientes da Caixa Geral de Depósitos – conseguem agora agregar a sua conta na fintech britânica à ‘app’ da CGD.

Revolut

A Revolut passou a estar disponível na aplicação móvel Dabox, permitindo agora aos seus utilizadores agregarem a conta na fintech britânica à app da Caixa Geral de Depósitos (CGD) – independentemente de serem ou não clientes do banco público). A CGD informou esta sexta-feira que anexou esta funcionalidade à aplicação, depois de ter recebido solicitações por parte dos cidadãos através da caixa de correio de apoio ao cliente e das lojas digitais.

A Dabox foi lançada em setembro de 2019, no âmbito de um trabalho conjunto entre o banco, a fintech sueca Tink SE e a consultora Deloitte, e conta atualmente com mais 60 mil downloads. Com esta ferramenta tecnológica, os portugueses que tenham uma conta bancária (na Caixa ou não) têm, assim, hipótese de ter todas as suas contas bancárias apenas numa plataforma disponibilizando.

Na prática, a Dabox funciona através de motor analítico que faz com que todos os movimentos das contas à ordem sejam classificados em categorias de despesas – entre as quais saúde, escola ou alimentação – e que o utilizador receba alertas e dicas personalizadas sobre a gestão do seu dinheiro (existência de débitos duplicados, saldos anormalmente baixos, gastos excessivos…).

O banco liderado por Paulo Macedo sintetiza a Dabox (disponível na Apple Store e na Google Play) como um “personal trainer financeiro” e garante que a mesma tem um “processo de registo simples, que se completa em segundos”.

Recomendadas

Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.

Empresas vão receber 150 milhões de euros do Novo Banco nos próximos dias ao abrigo da linha capitalizar Covid-19

O banco liderado por António Ramalho referiu, em comunicado, que os primeiros 150 milhões de euros que serão concedidos às empresas que são clientes da instituição financeira já têm os respectivos processos “em fase final de assinatura digital”.
Comentários