PremiumRicardo Mourinho Félix: “A austeridade acabou, mas também a política pró-cíclica”

Iniciativa organizada pelo Jornal Económico e pela EY sobre o Orçamento do Estado para 2020 abordou relação entre os impostos pagos pelos portugueses e os serviços públicos de que usufruem.

A carga fiscal deverá fixar-se em 35,1% este ano, segundo as projeções do Governo inscritas no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), e apesar de esse valor ser um cavalo de batalha entre o Executivo e a oposição, os analistas admitem que apesar do aumento registado nos últimos anos, a carga fiscal é indissociável do Estado Social.

Na conferência “Orçamento do Estado 2020”, organizada pelo Jornal Económico e EY no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, Anabela Silva, partner da consultora, realçou que a carga fiscal continua em linha com a dos últimos anos e é até um pouco superior.

Por seu lado, o bastonário da Ordem dos Economistas, Rui Leão Martinho, que interviu no painel “Este é o Orçamento que o país precisa?”, salientou que o OE2020 é um documento de “continuidade” que mantém uma “carga fiscal muito alta”, sem que tenha sido cumprido o pacto para reduzir o IRC e o IRS, para alívio das famílias portuguesas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Daniel Proença de Carvalho: “É evidente que há uma promiscuidade entre certos setores da justiça com alguns media”

“Devia haver coimas para quem violasse o segredo de justiça, independentemente da forma como foi obtida a informação”, vincou o antigo presidente da Uría Menéndez-Proença de Carvalho, que defendeu que “a mediatização” da Justiça é uma causa para a degradação da confiança que os portugueses depositam nesta função do Estado.

PremiumNazaré da Costa Cabral: “Reduzir a dívida pública é reforçar a soberania nacional”

Presidente do Conselho de Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, defendeu consolidação orçamental no encerramento da conferência.

Pode um orçamento comum estabilizar a zona euro? Nova SBE debate futuro da Europa

Debate moderado pelo diretor adjunto do JE, Shrikesh Laxmidas, oferece uma reflexão sobre se o orçamento para a zona euro pode ajudar à estabilização dos países do espaço europeu e tem lugar no âmbito do ciclo de conferências “Economia Viva”, que vai realizar-se nas instalações da Nova School of Business and Economics, no campus de Carcavelos.
Comentários