PremiumRicardo Mourinho Félix: “Podemos pagar mais dois mil milhões ao FMI este ano”

O Orçamento do Estado para 2019 é prudente, cauteloso e permite enfrentar os vários riscos externos, como o fim dos estímulos monetários e a escalada das tensões comerciais, explica o governante.

Quatro dias depois da entrega da proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2019, o secretário de Estado Adjunto e das Finanças explica a estratégia e as medidas do Governo para o último ano da legislatura. Em entrevista ao programa Decisores, que é transmitida esta sexta-feira, às 11 horas, no site e nas redes sociais do Jornal Económico, Ricardo Mourinho Félix destaca que o OE reflete a continuidade e o rigor.

O que é que o Orçamento do Estado para 2019 representa na estratégia económica do Governo?

É o quarto orçamento da legislatura e portanto é um orçamento da continuação daquilo que tem sido uma estratégia que passa por uma combinação entre um crescimento inclusivo, um crescimento gerador de emprego, que promove o investimento e uma consolidação orçamental sustentada e assente em medidas de natureza estrutural e que promove uma maior eficiência na utilização dos dinheiros públicos, melhorando a qualidade dos serviços públicos. Ao mesmo tempo conseguimos défices cada vez mais pequenos e em 2019 teremos um défice de 0,2% do PIB e uma redução sustentada do rácio da dívida pública, que é fundamental para que Portugal melhore as condições de financiamento, que beneficie as famílias e as empresas e que melhore a criação do emprego.

Os traços gerais deste orçamento não são diferentes daquilo que aconteceu nos anteriores três orçamentos. É uma continuação de uma estratégia que tem sido bem sucedida.

Nas medidas para reduzir o défice, gostaríamos de perguntar sobre os dividendos que o Estado vai receber, no valor de 741 milhões de euros. Pode-nos explicar de onde é que vêm? Quanto é que vem da Caixa Geral de Depósitos (CGD)?

O valor dos dividendos do Banco de Portugal vai ser de perto 600 milhões de euros.  No que respeita à CGD, houve uma estratégia de recapitalização pelo acionista Estado, mantendo a CGD exclusivamente na esfera pública, com um plano estratégico bastante ambicioso e que tem estado a ser cumprido. A Caixa regressou em 2018 aos lucros, tal como muitos dos outros bancos. Isso permitirá à CGD pagar um dividendo ao acionista no próximo ano, assim que seja validada a proposta da administração pelos auditores e depois pelo BCE, no sentido de achar que aquilo que fica retido é suficiente para que a CGD mantenha a sua solidez financeira e rácios de capital que permitam continuar a prestar os serviços financeiros à economia portuguesa.

Portanto, é expectável que no próximo ano possa haver um dividendo da CGD, que poderá andar por volta dos 200 milhões de euros, mas que está sujeito ainda a um conjunto de condicionantes que têm a ver com o que foi a recapitalização pública e a necessidade de manter níveis de capital adequados.

Estão confiantes que o BCE irá autorizar esse pagamento?

Estamos confiantes que a solidez financeira da Caixa, o facto de ter cumprido e até ido além do plano estratégico em algumas dimensões, nomeadamente o que diz respeito à redução dos ativos improdutivos, os chamados NPL, permita que possa ter uma solidez que assegure e dê o conforto suficiente a todas a entidades envolvidas para que possa haver um pagamento de dividendos.

No que diz respeito aos dividendos do Banco de Portugal, andam à volta do valor que disse e traduzem aquilo que foi a melhoria das condições de financiamento, a melhoria do rating. Também nesse sentido, permitirá que a gestão das reservas da República possa ser partilhada com os portugueses. É um contributo que deverá perdurar nos próximos anos desde que Portugal continue a ter uma política sólida, responsável e que permita que a dívida portuguesa mantenha taxas de juro reduzidas, ou mais reduzidas do que aconteceu durante a crise financeira.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Ler mais
Relacionadas

Governo admite voltar a antecipar pagamentos de dívida ao FMI

Em vésperas da entrega do Orçamento para 2019, Ricardo Mourinho Félix avisou as bancadas do Bloco de Esquerda e do PCP: que “não se podem fazer compromissos de despesa permanentes sem ter receitas sustentáveis””, avança a TSF.

Governo admite regressar aos pagamentos antecipados de dívida ao FMI

Estas ideias foram transmitidas pelo secretário de Estado Adjunto do ministro das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, na Assembleia da República, num debate sobre dívida pública e externa.

Mourinho Félix diz que novo regime dos seguros “evita vendas inadequadas”

As novas regras, que estão prestes a entrar em vigor, implicam maior responsabilidade para comercializadores de seguros e produtos de investimento com base em seguros.
Recomendadas

OE2019: PS propõe que se alargue à CGA alívio de penalizações por reforma antecipada

O PS anunciou hoje que vai apresentar uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2019 para alargar o regime de flexibilidade de acesso à reforma antecipada aos subscritores da Caixa Geral de Aposentações (CGA).

OE2019: PCP quer inscrever objetivo de patamar mínimo de 1% da despesa para a Cultura

“É consagrado o objetivo de alcançar o patamar mínimo de 1% da despesa pública, prevista em Orçamento do Estado, para a política cultural”, lê-se na proposta de aditamento ao Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), entregue hoje na Assembleia da República.

OE2019: PS propõe alargar alívio dos cortes às pensões antecipadas no Estado

“Até ao final do 1.º semestre de 2019, o Governo apresenta os projetos legislativos, procedendo às devidas adaptações, necessários ao alargamento do novo regime de flexibilização da idade de acesso à pensão, previsto no artigo 90.º, designadamente ao regime convergente”, lê-se na proposta dos socialistas.
Comentários