Ricardo Salgado e Armando Vara seguem já para julgamento

Os julgamentos do antigo banqueiro e do ex-ministro já foram distribuídos a um coletivo de juízes nas varas criminais de Lisboa: os mesmos que julgaram o processo Vistos Gold, avança a SIC.

Os julgamentos de Ricardo Salgado e de Armando Vara, que vão responder em tribunal no total por quatro crimes, já foram distribuídos a um coletivo de juízes nas varas criminais de Lisboa.

Segundo a notícia avançada esta sexta-feira pela SIC, os dois arguidos da Operação Marquês irão ser julgados pelos mesmos juízes que estiveram com o processo Vistos Gold.

O ex-banqueiro vai a julgamento por três crimes de abuso de confiança e o antigo ministro da Juventude e Desporto e ex-administrador bancário Armando Vara foi pronunciado por um crime de branqueamento de capitais.

O Ministério Público acusou 28 arguidos de um total de 188 crimes económico-financeiros, dos quais 31 imputados a José Sócrates. A investigação deste processo teve início em 2013 e levou à detenção, no ano seguinte, do antigo primeiro-ministro.

Relacionadas

Premium‘Operação Marquês’ só chega à Relação no início de 2022

Sentença transitada em julgado nunca será conhecida antes do final de 2027, ou seja, na melhor das hipóteses, quando o processo terminar terão passado 13 anos desde a noite em que José Sócrates foi detido, em novembro de 2014.
Recomendadas

Justiça espanhola rejeita ação de 23,8 milhões de euros do Real Madrid contra La Liga

A sentença extingue totalmente a ação do Real Madrid, absolvendo a La Liga de todas as reclamações formuladas, ao mesmo tempo em que impõe o pagamento dos custos processuais à equipe da madrilena, em resolução que, por não ser definitiva, pode ser objeto de recurso.

Duas dezenas de trabalhadores migrantes já foram realojados no Zmar (com áudio)

A operação de realojamento foi acompanhada pela unidade de intervenção da Guarda Nacional Republicana (GNR).

Advogado de donos de casas no Zmar interpõe providência cautelar contra requisição

Segundo o causídico, entre os argumentos a contestar a fundamentação da requisição temporária do Zmar Eco Experience decidida pelo Governo está o facto de, “no documento” do executivo, este “dizer que dialogou com os proprietários”.
Comentários