Ricardo Salgado revela que é a filha quem paga contas da família

A revelação surgiu quando o ex-líder do BES foi chamado ao tribunal para detalhar a atual vida financeira no processo em que contesta a contraordenação de 4 milhões de euros, aplicada pelo Banco de Portugal.

Rafael Marchante/Reuters

Ricardo Salgado foi ouvido em tribunal na quarta-feira, onde afirmou que é a sua filha, a residir na Suíça, quem paga as contas do ex-banqueiro. O ex-líder do Banco Espírito Santo (BES) foi chamado a tribunal para detalhar a atual vida financeira no processo em que contesta a contraordenação de 4 milhões de euros, aplicada pelo Banco de Portugal, noticia o “Correio da Manhã” (CM) esta quinta-feira.

“Não tenho praticamente reforma e a minha mulher não tem atividade”, argumentou Ricardo Salgado antes de contar que é a sua filha Catarina quem “assegura as despesas da família” e de revelar que não sabe quanto gasta por mês.

De acordo com o CM, em tribunal, o antigo banqueiro garantiu ter perdido cerca de 300 mil euros, com a queda do ‘império’ do Banco Espírito Santo e lamentou o arresto da pensão, reduzida de 39 mil euros para o equivalente a dois salários mínimos nacionais – 1.114 euros. Ricardo Salgado alegou ainda o arresto de duas residências, em Cascais e na Comporta, distrito de Setúbal.

Além do processo que envolve a queda do BES, Ricardo Salgado está envolvido noutros casos judiciais relevantes: foi acusado de corrupção ativa no âmbito da Operação Marquês e é ainda invetigado no caso Monte Branco e no Universo GES.

Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários