Ricardo Salgado vai ser acusado de liderar organização criminosa dentro do BES

O Ministério Público prepara-se para revelar o despacho de acusação do caso BES até dia 15. A investigação leva o MP a considerar a existência de uma organização criminosa liderada por Ricardo Salgado

Rafael Marchante/Reuters

Ricardo Salgado deverá ser acusado pelo Ministério Público (MP) de ldierar um associação criminosa enquanto esteve à frente do Grupo Espírito Santo (GES).

De acordo com a notícia avançada pelo jornal “Público”, este sábado, trata-se de uma organização montada sem conhecimento da maioria da equipa de gestão e das entidades de fiscalização do banco, nomeadamente, do Banco de Portugal.

Segundo os novos factos apurados durante a investigação, Ricardo Salgado terá sido o cérebro e o líder de uma rede criminosa, por si estruturada dentro GES e do Banco Espírito Santo (BES), com a finalidade de cometer delitos de forma organizada. E com o propósito de fazer pagamentos ocultos, de cometer fraude no comércio internacional e de desviar fundos de centenas de milhões de euros para corrupção, tendo desnatado o BES em mais de mil milhões de euros.

Na prática, Salgado terá construído dentro do BES uma entidade paralela, que funcionava à margem dos órgãos de gestão e de controlo e dos supervisores, com o objectivo de “segurar” o GES, financiando a divida das empresas da família. Na sequência das investigações terá sido desenhado um organigrama criminoso, que nasceu das necessidades financeiras do GES.

Depois dos sucessivos adiamentos, tudo indica que o Ministério Público vai cumprir o prazo anunciado para divulgar o despacho de acusação ao processo Universo Espírito Santo, o que terá de fazer até à próxima quarta-feira, 15 de julho.

Recomendadas

Novo Banco: valor dos juros gerados pelos ativos do CCA pode compensar parte das injeções do FdR

Os deputados têm levantado a questão de os juros associados aos ativos do mecanismo de capital contingente, quando não são recebidos acrescerem às perdas, mas quando são recebidos não abaterem às perdas. A audição desta terça-feira foi a João Gomes Ferreira, partner da Deloitte, que fez a auditoria especial ao Novo Banco.

Banca apertou critérios de concessão de crédito a empresas e ao consumo no primeiro trimestre

Os critérios de concessão de crédito foram ligeiramente mais restritivos no crédito a empresas, designadamente a PME, e no crédito ao consumo e outros fins. Tendo ficado praticamente inalterados no crédito à habitação. As razões prendem-se com a maior perceção de riscos associados à situação e perspetivas de sectores ou empresas específicos e, em menor grau, de riscos associados à situação e perspetivas económicas e às garantias exigidas.

Provedoria de Justiça validou a cobrança de comissões em empréstimos contratualizados antes de 2021

A Provedoria de Justiça defende que a banca pode “cobrar as comissões que entenda”, e critica a “intenção do legislador” de limitar o valor das comissões bancárias, acusando-o de se “intrometer” na “liberdade contratual” e na “autonomia privada”.
Comentários