Rio dá “abanão” ao Governo e diz que decisão de encerramento das escolas só “peca por tardia”

Apesar de reconhecer que governar no atual contexto “não é nada fácil”, Rui Rio diz que “há momentos em que é preciso dar um abanão para ver se o Governo entra na linha”. Deixou ainda críticas à decisão de não haver aulas online, que considera ser o sinal de que o o Executivo não se preparou para o encerramento das escolas.

O presidente do PSD, Rui Rio, defendeu que a gestão governativa não pode continuar nos moldes que tem sido feita, considerando que se tem contido nas críticas pelo interesse nacional, mas que é tempo do Governo dar um “rumo certo”, dando como exemplo a decisão sobre o encerramento das escolas, com a qual concorda, mas que diz “peca por tardia”.

“O PSD está obviamente de acordo com esta medida, sendo apenas como todos sabemos que ela peca por tardia”, disse o líder social-democrata esta quinta-feira, em conferência de imprensa, contudo, lamentando que, com o encerramento as escolas, “os alunos ainda vão ter uma situação pior do que aquela que tiveram em abril, na exata medida que não vão ter as aulas à distância”, devido à opção do Executivo.

Rui Rio vincou que “todos compreendemos porque é que o Governo não decidiu de imediato encerrar as escolas e só o fez agora perante a pressão da opinião pública”, argumentando que “não o fez porque tinha consciência que não estava preparado para o fazer”.

“Temos naturalmente de lamentar o desgoverno em que o país tem andado”, realçou. Contudo, “para que não haja demagogia” reconheceu que “isto não é nada fácil. O trabalho do Governo não é nada fácil”, reiterando que o reconheceu desde a primeira hora e que por isso tem “poupado nas críticas” e que “depois me fazem a mim por não fazer as críticas”.

É neste sentido, que o presidente do PSD diz que se tem regido pelo “interesse nacional”, mas “isto não pode continuar assim”, considerando que “com este desgoverno não se inspira confiança nas pessoas e as pessoas a dada altura não sabem aquilo que é correto, aquilo que não é correto e aquilo que não devem fazer”. “Vou continuar da mesma forma, mas tenho que dizer que assim não pode continuar e o governo tem que ter um rumo mais certo”, referiu.

“Há momentos em que é preciso dar um abanão para ver se o Governo entra na linha porque assim Portugal não vai vencer esta batalha da forma como poderia vencer, ou seja, mais cedo do que aquilo que vai acontecer”, concluiu.

Ler mais
Relacionadas

PSD apela ao voto em Marcelo e considera que o atual Presidente “representa todos os portugueses”

Afirmação parece contrastar com uma das frases que mais se ouviu do candidato apoiado pelo “Chega”, que disse por várias vezes que não será o chefe de Estado de todos os portugueses.

“Pessoas têm que fazer esse sacrifício”. Rui Rio faz apelo ao voto nas presidenciais

O líder do PSD realça que existe “obrigação de organizar o ato de forma bem melhor do que aquilo que organizou no último domingo”.
Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

Covid-19: Uma centena de manifestantes anticonfinamento em Lisboa

À Lusa, o comissário Santos, da PSP, referiu que a concentração, promovida pelo Movimento Habeas Corpus, associado aos Juristas pela Verdade, chegou a reunir “cerca de cem pessoas”, por volta das 13h00, e que há meia hora estariam ainda 35 manifestantes no local.
Comentários