PremiumRioforte vai aprovar a venda da Comporta por 158 milhões de euros

Consórcio Vanguard/Amorim oferece 158 milhões de euros pela Comporta, revelou fonte ligada ao processo ao Jornal Económico. A proposta, que vai ser discutida em assembleia-geral, terá o aval da Rioforte e do Novo Banco.

A Rioforte, que detém 59% do Fundo da Herdade da Comporta (Fundo), vai aprovar, em assembleia geral de participantes, a venda ao consórcio composto pela Vanguard Properties e a Amorim Luxury, por 158 milhões de euros, soube o Jornal Económico junto de fonte próxima do processo. O Novo Banco, que detém cerca de 15,5% das unidades de participação daquele Fundo, deverá acompanhar o sentido de voto da Rioforte.

O valor oferecido pelo consórcio Vanguard/Amorim permitirá pagar a dívida do Fundo à Caixa Geral de Depósitos (CGD), de cerca de 120 milhões (incluindo juros), ficando o remanescente a ser distribuídos pelos detentores de unidades de participação do Fundo. O Novo Banco acrescentou um ponto à ordem de trabalhos da assembleia geral de participantes para contemplar a potencial liquidação do Fundo após a venda dos seus ativos.

Os detentores de unidades de participação do Fundo voltam a debater a proposta do consórcio da Vanguard, Amorim e Port Noir no próximo dia 27 de novembro. A decisão volta a estar nas mãos da Rioforte e do Novo Banco que, em conjunto, detêm 74,55% da totalidade das unidades de participação. A Rioforte tem 19.524 unidades de participação (cerca de 59%) e o Novo Banco tem 5.108 unidades de participação do fundo, ou seja cerca de 15,5%.

Em causa está a venda dos ativos Comporta Links (ADT2) e Comporta Dunes (ADT3/Núcelo de Desenvolvimento Turístico do Carvalhal), que ficará decidida na assembleia geral de participantes, convocada pela Gesfimo, a Sociedade Gestora do Fundo.

A proposta do consórcio Vanguard/Amorim é de 158 milhões de euros, revelou fonte que teve acesso a esta proposta. O atual negócio prevê que a Vanguard ficará responsável por 88% dos ativos da Herdade da Comporta e que nas mãos da Amorim Luxury ficarão 12%, que se referem a um hotel e outros imóveis. O valor da proposta é assim superior ao oferecido pelo mesmo consórcio no concurso anterior que não passou na assembleia de participantes, no passado dia 27 de julho.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Ler mais
Relacionadas

Comporta vai ser vendida por 158 milhões ao consórcio de Paula Amorim

Venda da Comporta ao consórcio composto pela Vanguard Properties e pela Amorim Luxury tem o valor de 158 milhões e sai ser votado em assembleia geral dia 27 de novembro, revelou fonte ligada ao processo ao Jornal Económico. Leia mais na edição de amanhã.

Câmara de Grândola desafia Vanguard/Amorim a investir no Carvalhal

Autarquia de Grândola espera que “os novos proprietários possam concretizar os importantes investimentos previstos para o concelho”.

Amorim/Vanguard assina contrato de promessa de compra e venda dos ativos da Comporta

O consórcio Amorim/Vanguard/Port Noir chegou a acordo com a Gesfimo e assinou um contrato de promessa de compra e venda dos ativos do Fundo da Herdade da Comporta. O próximo passo é a Assembleia de Participantes.
Recomendadas

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.

Programa de aceleração de ‘startups’ de restauração anuncia hoje os dois projetos vencedores

É a primeira edição do novo programa de aceleração da responsabilidade da Startup Lisboa, que contou com a participação de 22 concorrentes, no segmento ‘tech’ e não ‘tech’.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.
Comentários