Rocha Andrade: “O PS não tem o direito para ganhar votos de comprometer o futuro do pais”

O vice-presidente da bancada parlamentar socialista, diz que não há disponibilidade financeira para satisfazer todas as reivindicações em curso nos diferentes sectores.

Cristina Bernardo

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Fernando Rocha Andrade, antigo secretário de Estado dos Assuntos fiscais e atual vice-presidente da bancada parlamentar do PS, considerou que seria pior para o país se o governo cedesse a reivindicações sectoriais de uma forma que não fosse sustentável, ou seja, sem ter capacidade de pagar. Os portugueses, segundo Rocha Andrade, “não perdoariam ao PS que tomasse decisões irresponsáveis” e acrescenta: “O PS não tem o direito para ganhar votos de comprometer o futuro do pais”.

Por outro lado, apesar de reconhecer que há uma grande carga fiscal na sociedade portuguesa, considera que não há lugar para redução de impostos sem redução da divida, ao mesmo ritmo. Essa deve ser a prioridade diz Rocha Andrade.

Nesta entrevista, Rocha Andrade adianta ainda que não espera outra coisa que não seja o que foi prometido em matéria de escalões de IRS, ou seja, nas tabelas de 2019 serão introduzidas as alterações que reflitam totalmente as alterações feitas ao imposto

Já quanto ao IVA Rocha Andrade defende que se caminhe para uma taxa única que pode ser de 18%.

Recomendadas

PSD quer auditoria ao período pós-resolução do BES

Segundo o deputado do PSD, António Leitão Amaro, o que é preciso auditar, “e que ainda não foi auditado” consiste no que aconteceu depois da resolução do BES, “como a venda do Novo Banco à Lone Star e o que aconteceu depois disso”, nomeadamente, “as imparidades”.

“Não há mais como escapar”. Como os políticos brasileiros reagiram à detenção de Michel Temer

A Polícia Federal brasileira deteve hoje de manhã Michel Temer e tenta cumprir outros mandados contra aliados do antigo Presidente brasileiro, numa ação a pedido dos investigadores da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro. As reações não se fizeram esperar.

PCP propõe nova estrutura orgânica e forma de gestão das Áreas Protegidas

Grupo Parlamentar do PCP apresenta projeto de lei que visa “assegurar uma gestão mais próxima e adequada das Áreas Protegidas” e “determinar o papel essencial dos Planos Especiais de Ordenamento do Território e a responsabilidade do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas”.
Comentários