Rocha Andrade: “O PS não tem o direito para ganhar votos de comprometer o futuro do pais”

O vice-presidente da bancada parlamentar socialista, diz que não há disponibilidade financeira para satisfazer todas as reivindicações em curso nos diferentes sectores.

Cristina Bernardo

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Fernando Rocha Andrade, antigo secretário de Estado dos Assuntos fiscais e atual vice-presidente da bancada parlamentar do PS, considerou que seria pior para o país se o governo cedesse a reivindicações sectoriais de uma forma que não fosse sustentável, ou seja, sem ter capacidade de pagar. Os portugueses, segundo Rocha Andrade, “não perdoariam ao PS que tomasse decisões irresponsáveis” e acrescenta: “O PS não tem o direito para ganhar votos de comprometer o futuro do pais”.

Por outro lado, apesar de reconhecer que há uma grande carga fiscal na sociedade portuguesa, considera que não há lugar para redução de impostos sem redução da divida, ao mesmo ritmo. Essa deve ser a prioridade diz Rocha Andrade.

Nesta entrevista, Rocha Andrade adianta ainda que não espera outra coisa que não seja o que foi prometido em matéria de escalões de IRS, ou seja, nas tabelas de 2019 serão introduzidas as alterações que reflitam totalmente as alterações feitas ao imposto

Já quanto ao IVA Rocha Andrade defende que se caminhe para uma taxa única que pode ser de 18%.

Recomendadas
Crédito: Acácio Amaral

Gaudêncio demite-se da liderança do PSD nos Açores e pede eleições internas antecipadas

Alexandre Gaudêncio demitiu-se do cargo de líder do PSD/Açores e vai pedir eleições internas diretas. Alvo de uma investigação da Judiciária, não diz se avança com uma recandidatura.
marcelo_rebelo_sousa_legislativas_voto

Marcelo espera que eleições sejam “passo importante” para o futuro de Moçambique

O Presidente da Republica afirmou esperar que estas eleições “possam ser a continuação de um processo, abrindo para um futuro”, porque “um futuro melhor para Moçambique é um futuro melhor para Portugal”.

Governo: Médicos lamentam continuação de Marta Temido e de Mário Centeno

O bastonário da Ordem dos Médicos entende que o primeiro-ministro “não está a saber aproveitar a nova oportunidade que os portugueses lhe deram” ao manter os mesmos ministros da Saúde e das Finanças.
Comentários