Rolls-Royce planeia cortar até oito mil postos de trabalho

O grupo industrial britânico Rolls-Royce planeia suprimir até oito mil postos de trabalho devido à queda do tráfego aéreo provocada pela pandemia do novo coronavírus, indicou este domingo fonte próxima do processo à agência France Presse.

O número representa cerca de 15% da mão-de-obra do fabricante de motores de aviões.

“O impacto da covid-19 não tem precedentes. Tomámos medidas rápidas para aumentar a nossa liquidez, reduzir drasticamente as nossas despesas (…) Mas precisamos de ir além disso”, indicou um porta-voz do grupo, precisando que decorrem negociações com os sindicatos e que as decisões sobre os empregos devem ser anunciadas até ao final de maio.

Os cortes planeados na Rolls-Royce seguem-se ao anúncio, na sexta-feira, de 3.000 despedimentos na empresa irlandesa Ryanair e de 12.000 na British Airways.

A Virgin Atlantic também diz lutar pela sua sobrevivência e pediu, até agora em vão, a ajuda do governo britânico.

A Rolls-Royce já tinha cancelado a distribuição de lucros em abril e alertado para o impacto significativo da epidemia nos seus resultados.

Desde 2018, a empresa cortou 4.600 postos de trabalho, essencialmente administrativos. O corte agora planeado deve afetar principalmente os trabalhadores na área de motores para a aviação civil.

Ler mais
Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

80,6 mil milhões de euros. Mark Zuckerberg já é mais rico que Warren Buffett

O ‘Business Insider’ explica que a subida de Zuckerberg se deveu aos resultados inesperados da plataforma e ao aumento do número de utilizadores durante o primeiro trimestre de 2020.

António Saraiva: “Empresas precisam de apoios a fundo perdido. Não querem agravar dívida”

O barómetro semanal CIP/ISCTE revela que 82,2% das empresas preferem apoios para capitalização que não agravem o seu endividamento e 41,7% dizem que querem suspender ou cancelar investimentos previstos para 2020. O presidente da CIP, António Saraiva diz que as necessidades das linhas de apoio às empresas aumentaram para 10,5 mil milhões de euros.
Comentários